Day: Março 1, 2014

Que fazer este sábado? (entre muitas outras possibilidades….)


(Porto) Leituras dedicadas a Raul Brandão, na Gato Vadio, 17H

Capturar1

Na Livraria Gato Vadio, Rua do Rosário 281 Porto

Prossegue o 3.º Ciclo de Leituras do Gato Vadio, com uma sessão dedicada a Raul Brandão e a uma das suas obras menos conhecidas: “O Vale de Josafat”, que corresponde ao terceiro volume das suas Memórias.
Com Rui Manuel Amaral e Beatriz Hierro Lopes.

(Lisboa) Concerto e Jantar na RDA69, 18H

CASAL1

RDA69, Lisboa

Regueirão dos Anjos, 69

Jantar vegetariano

Concerto de Rap no Regueirão dos Anjos, 69
(atrás do banco de portugal – estação de metro: anjos)
Dia 1 de Março, Sábado
A partir das 18 h
Entrada Livre

Com a participação de:
F.P.; Lord G TWA; DDB Família; DDF Imp; Noventaz; X Dreads; Crewella; Twista; DGF; Yaroshima M.A.; Gang di Rua; Boss BFH; Juana na Rap

aqui: http://blog.stress.fm/2014/02/concerto-rap-rda-mais-um-evento-de.html

(Porto) Lançamento da revista APÓCRIFA, na Gato Vadio, 19H

apócrifa

A Apócrifa – Revista Literária vai apresentar-se com a chancela da Livraria Poetria neste Sábado, dia 1 de Março, no espaço da livraria Gato Vadio
Haverá leituras de poemas e textos próprios e alheios bem como musica e performances. Esperemos que tragam também as vossas leituras em dia para que possamos concluir o dia com uma agradável tertúlia pautada por uma partilha literária. À disposição de todos os interessados teremos exemplares gratuitos desta 1ª edição da Revista.

https://www.facebook.com/LivrariaPOETRIA
http://gatovadiolivraria.blogspot.com/
https://www.facebook.com/gato.vadio

https://www.facebook.com/colectivoprecontemporaneo
https://www.facebook.com/apocrifarevista

(Algés) Conferência na Fábrica de Alternativas, 19H

alternativas

 

aqui: https://www.facebook.com/events/536878186410622/

(Fev./Março de 1921) A revolta dos marinheiros de Kronstadt contra o terror bolchevique


Cronstadt1917

Kronstadt é uma fortaleza naval situada numa ilha que serve tradicionalmente de base à frota naval da Rússia para proteger a cidade de São Petersburgo (que será baptizada Petrogrado durante a primeira guerra mundial, depois Leninegrado, depois de novo São Petersburgo) e que fica a 35 milhas da cidade

mapa1

“Todo o poder aos sovietes e não aos partidos”

A revolta de Kronstadt começa nos primeiros dias de Março de 1921.

Os marinheiros de Kronstadt foram a vanguarda das acções revolucionárias de 1905 e de 1917. Em 1917 Trotsky designava-os como “o valor e a glória da Rússia revolucionária”. Os habitantes de Kronstadt foram, desde muito cedo, apoiantes e executantes do “todo o poder aos sovietes”, formando uma comuna livre em 1917, relativamente independente das autoridades. Praticando a democracia directa a partir de assembleia ou comités de base. No centro da fortaleza, um espaço público enorme servia de fórum popular podendo acolher mais de 30 000 pessoas. Os habitantes de Kronstadt estavam habituados a organizarem-se eles próprios.

A guerra civil russa acabou em Novembro de 1920, no este da Rússia, com a derrota do general Wrangel na Crimeia. Através de toda a Rússia  explodiam protestos populares no campo e nas cidades. Os levantamentos rurais tinham como alvo a policia do partido comunista que requisitava cereais. Nos sectores urbanos, surgiu também uma vaga de greves e em Fevereiro explode uma greve geral em Petrogado.

(mais…)