Day: Março 18, 2014

(Ucrânia) Neo-nazis ao lado de Putin


1

2

3

4

Em várias manifestações, promovidas pela propaganda de Putin como “anti-fascistas”, estiveram presentes nacionalistas radicais e neo-nazis, quer em Odessa, quer em Sebastopol .

Continua no ocidente a batalha informativa sobre o que se está a passar no território ucraniano e, mais concretamente, na Crimeia. A esquerda ortodoxa e nacionalista, convencida que a mão dos Estados Unidos é a “mão de Satanás” e que está por detrás das movimentações na Ucrânia, decidiu aliar-se ao regime corrupto de Putin, classificando os apoiantes de Kiev como “fascistas” e defendendo com “unhas e dentes” a nova anexação da Crimeia pela Rússia. Para os anarquistas, quer russos, quer ucranianos, quer ocidentais, o que se está a passar é um braço de ferro entre dois regimes que pouco se diferenciam: os dois têm apoiantes fascistas, são nacionalistas radicais e a conflitualidade extrema faz esquecer os problemas internos inerentes ao próprio sistema capitalista que dá vida a um e a outro regime. Depois das denúncias de que a extrema-direita estaria a alinhar com o regime de Kiev, o sítio anarquista Tahrir-ICN vem agora demonstrar que os apoiantes pró-russos também não se podem queixar da falta de apoio da extrema-direita xenófoba e racista europeia.

Paul Gubariew, neo-nazi:  um “tribuno do povo” ao lado de Putin

Anteriormente divulgámos notícias dos nacionalistas ucranianos. Verifica-se agora que o “outro lado” está cheio de nacionalistas e de neo-nazis.

De acordo com o sitio russo Lenta.ru, Paul Gubariew que, conjuntamente com apoiantes pró-Russia de Donbass, ocupou edifícios da administração em Donetsk e se proclamou, a si próprio, como “governador do povo” e uma autoridade local, não é apenas um capitalista, mas foi também membro da organização neo-nazi “Unidade Nacional Russa” e, depois, vereador do racista e anti-semita Partido Socialista Progressista da Ucrânia.

Depois de ter sido preso pelas autoridades de Kiev uma parte da esquerda ocidental, sem qualquer noção do que se estava a passar, classificou- o como um “tribuno do povo alvo de repressão”.

Ao mesmo tempo o vesti.ru revelava que os Chetniks sérvios, chauvinistas radicais com muito má reputação adquirida durante as limpezas étnicas na ex-Jugoslávia, tinham chegado a Sebastopol para “ajudarem os seus irmãos russos”.

Os Chetniks mantêm uma politica externa activa, aparecem todos os anos para celebrarem a independência de Março, em Varsóvia, e inspiram as manifestações de nacionalistas polacos sob a palavra de ordem “Kosovo é Sérvia”.

Isto é tanto ou mais importante, uma vez que uma grande minoria da população da Crimeia é composta por tártaros que , como a população do Kosovo, são muçulmanos.

Para os Chetniks esta pode ser uma extensão da luta que mantêm no Kosovo contra a “ameaça islâmica” e levar à limpeza étnica dos tártaros da Crimeia, que já antes foram deportados e exterminados por Stalin.

Recentemente, começaram a ser alvo de marcas as casas dos tártaros da Crimeia, o que poderia ser um prelúdio para futuros pogroms. (tradução Portal Anarquista)

aqui: http://tahriricn.wordpress.com/2014/03/08/ukraine-paul-gubariew-a-tribune-of-the-people-in-donetsk-ie-neo-nazis-on-the-side-of-putin/#more-1716

 http://cia.media.pl/pawel_gubariew_trybun_ludowy_z_doniecka_okazal_sie_rosyjskim_neonazista

(José Oiticica) A cidade


pintura

Sinto a repulsa dos dominadores…
Sou novo, sou ateu, sou anarquista;
Não sigo a mesma norma dos doutores
E ergo, acima das baias, minha vista.

Aperto, entre meus dedos compressores,
A garganta da casta comodista;
Anuncio outra lei e outros valores;
Sou a palavra santa que conquista.

Vou sozinho, arrostando o ódio dos amos…
E em pó, no topo da colina extrema,
Indico ao povo a Sião para onde vamos:

Vamos para a cidade iluminada!
Vejo-a ao longe, a faiscar, como diadema,
Entre a prata e os carmins da madrugada.

José Oiticica

aqui: https://www.facebook.com/jp37.p

http://anarquiaepoesia.blogspot.pt/2011/08/cidade.html