Day: Março 28, 2014

(Hoje, Évora) Bonecos & Campaniça: um espectáculo sem palavras


manel

Hoje, em Évora, às 22 H, no Armazém 8. Um espectáculo inovador, colado às raízes e às velhas artes dos bonecos e da viola campaniça. Aqui, em conjunto, num bailado muito sério.

Um músico e um marionetista dão vida a duas mãos cheias de bonecos e contam as suas histórias. Histórias sem palavras, ao som da viola campaniça.
Trulé Manuel Dias a mão que conta: Marionetista/construtor e investigador em formas animadas
Tó Zé a mão que toca: Composição/Música original. Viola Campaniça

Fotografia: Telmo Rocha (Telmo Rocha – Deambulações)
Fotografia/Vídeo: Joana Dias
Produção: É neste país – Associação Cultural
Organização:Armazém 8 – Évora

Vão ver que vale a pena.

Fotos da Conferência sobre Pensamento Libertário na Covilhã


1

2

 

4

 

 

6

7

 

3

Fotos de: Goulart Medeiros

 Realizou-se hoje a conferência “Pensamento Libertário: Passado, Presente e Futuro”, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UBI – Covilhã, organizada pelo Grupo de Estudos Políticos da Universidade. Foi um dia interessante, com diversas perspectivas sobre a história e o pensamento libertários, com a presença de jovens investigadores que falaram de Bakunin; da cidade construída pelos poderosos enquanto reacção (ou antecipação) às movimentações operárias e anarquistas do princípio do século XX; o teatro operário e libertário em Portugal durante a I República; os 150 anos da Associação Internacional de Trabalhadores; a bibliografia anarquista ou a experiência da revista Ideia, cujo primeiro número saiu em 1974.

Um companheiro da AIT/SP falou da actualidade do anarcosindicalismo e relatou-se também a experiência do Portal Anarquista, como um espaço de divulgação e de acompanhamento da actividade e do debate libertário, seja em Portugal, seja a nível internacional. Foi um dia bem passado, carregado de informação e de perspectivas diversas – desde a investigação à militância – sobre uma das correntes de pensamento que marcou várias décadas do século XX português e que hoje começa, de novo, a encontrar eco sobretudo nos novos movimentos sociais de base, autogestionários e de acção directa.