Day: Abril 15, 2014

(Hoje na ISV, em Évora) “A terra é de quem a trabalha, os fascistas comem palha”


Que_farei_eu_com_esta_espada-266414548-large

‘Que farei eu com esta espada?’
João César Monteiro, 1975, M12

Hoje em Évora, um dos filmes-chave do controverso, mas nunca manso, João César Monteiro, inserido no ciclo “Outros Cinemas”, na Igreja de São Vicente, às 21,30 H

“Outro filme que marcou o Verão Quente, ainda mais incatalogável foi ‘Que Farei Eu com Esta Espada’, de João César Monteiro, que já antes declarava ao Cinéfilo: “Agora e na hora do antifascismo, resta-me desejar a todos os meus ilustres camaradas -pavões de ofício cinematográfico, de quem sempre disse horrores, não por empenho missionário mas por mero desabafo de rotina, que consigam com a queda do miserável regime que os vitimou, expulsar a profunda imbecilidade dos filmes que fizeram e reencontrar, enfim, aquilo que, durante a asfixiante opressão, nunca deram mostras de possuir: dois dedos de imaginação, uma pitada de inteligência, um nadinha de subtileza e delírio, uma nesga de rigor poético”. E este comentário é todo ele uma declaração de intenções daquilo que viria a se a sua obra futura. Para já, em 1975 aparece com este documentário tão militante quanto híbrido, tão sarcástico quanto delirante, em que um porta-aviões, supostamente da Nato, prestes a desembarcar no Tejo, traz consigo a peste, Nosferatu, carregando o seu caixão, acompanhado do seu exército de ratos. O terreno é propício à invasão: “Sem aumento de produção, os preços  dos alimentos sobem e a população empobrece. A única actividade estimulada é a prostituição”. No meio de tudo isto, há a Madame Butterfly, uma guerreira lusitana (Margarida Gil) que pronuncia a frase “que farei eu com esta espada”, os testemunhos de uma prostituta e de membros da classe operária, uns velhotes anacrónicos, uns discursos que chegam a ser comoventes de tão genuínos: “É preciso é que vocês não se deixem vender por uma cerveja ou um porco gordo”. E bem no final do filme um agricultor declara: “A terra é de quem a trabalha, os fascistas comem palha”. 

aqui: http://visao.sapo.pt/prec-a-terra-e-de-quem-a-trabalha-os-fascistas-comem-palha=f566355#ixzz2ywk44OxG

ver também: http://www.amordeperdicao.pt/basedados_filmes.asp?filmeid=255

Relacionado:

Performance realizada para aquecer uma fria noite de 25 de abril, talvez em 2007, talvez em 2008. Escavação com recurso a ferramentas campesinas (enchada e ancinho) de um perímetro circular em frente do “Monte Alentejano”, Rossio de S.Brás (Évora). Djambé e Gravação em megafone de excerto sonoro do documentário de João César Monteiro, ” Que farei eu com esta espada” (1975)…

https://www.facebook.com/ArtTerrorFoundation