Day: Abril 17, 2014

Rádio Amotinada esta noite a partir das 22H num computador ao pé de si


ramotinada

Hoje, quinta.feira, 17/04/2014 – 22:00

As instalações da rádio casaviva vão ser invadidas pela ânsia de provocar faíscas nas ruas.

Vamos tomar conta do microfone e fazer um programa dedicado a tudo que é motim, rebelião, distúrbio e insurreição.

Será uma emissão em directo e imprevisível, por isso prepara o teu cocktail molotov e mantém o isqueiro por perto.

Que nenhum contentor do lixo escape e nenhuma instalação bancária esteja a salvo.

Podes ouvir aqui: http://radiocv.punked.us/

http://radiocasaviva.blogspot.pt/

(Porto) Jantar e Conversa: Repressão e Resistência na cidade de Hamburgo


hamburgox

Hoje, 5a feira, 17 de Abril, 20.30H na Casa Viva

A Casa Viva irá receber gentes de Hamburgo para uma conversa sobre Repressão e Resistência nesta cidade alemã.

Haverá jantar com menu exclusivo CV apresentado na hora, oportunidade para se discutir o que se quer fazer (ou não) desse grande antro que é a cidade enquanto se dá ao dente. Até lá!

A grande cidade sempre foi simultaneamente sonho e pesadelo. O sonho: se consegues fazer lá irás conseguir fazê-lo em qualquer parte. O pesadelo: se não és bem sucedido, é a “penúria”, tal como George Orwell descreveu  de forma tocante no seu romance com o mesmo nome de 1933  Ainda assim, para milhões de moradores das cidades o pesadelo assombra cada vez mais à medida que uma série de tendências tornam as cidades insustentáveis em todos os sentidos – socialmente, economicamente e ambientalmente. Agora, pela primeira vez na história , mais de metade da população vive em cidades. Em 2050, segundo uma previsão das NU, cerca de 70 por cento dela irá passar a sua vida em aglomerações urbanas. A que tipo de vidas isto levará se as coisas assentarem numa repetição dos padrões do passado?

(mais…)

(Lisboa) Solidariedade com a BOESG


Despejo2

Caros companheiros,

A BOESG (Biblioteca dos Operários e Empregados da Sociedade Geral) é uma antiga biblioteca operária fundada no dia 1 de Janeiro de 1947, localizada na Rua das Janelas Verdes em Lisboa desde 1960. Com o passar dos anos, a BOESG foi acumulando um acervo riquíssimo de cerca de 6 mil livros, quer na área da literatura, quer em muitas outras áreas do saber.

Actualmente, a BOESG assume um novo projecto, como Biblioteca Observatório dos Estragos da Sociedade Globalizada, mantendo o incentivo à leitura e ao conhecimento que a caracterizava, mas juntando a observação e a acção sobre a alienação política, económica e técnica. Organizado o acervo por secções, com o propósito de o catalogar e estudar, procura-se sempre uma ligação entre as secções e os referidos objectivos, através da obtenção de livros novos, debates e conversas à volta de um tema ou de um livro, lançamento ou mesmo edição de livros ou brochuras, realização de oficinas, ciclos de cinema, feiras, etc.

Mas todo este trabalho poderá ser posto em causa. Os estragos da nova lei do arrendamento chegaram à BOESG. A biblioteca recebeu uma notificação do Ministério da Justiça informando que, ao abrigo do novo regime de arrendamento, o senhorio reivindica o aumento da renda da BOESG dos actuais 81 euros para 706,61 euros. Como é evidente, trata-se de um aumento brutal que inviabiliza a continuação das actividades da biblioteca. Já estamos em contacto com um advogado para definirmos como deveremos proceder e estamos a recolher informação de várias origens para melhor podermos decidir o que fazer. Contudo, uma coisa é certa: qualquer recurso judicial acarreta custos avultados.

Como é que os vários espaços, colectivos, pessoas nos podem ajudar? De várias maneiras: dando informação de situações deste género com outras colectividades e enviando-a para o e-mail da Biblioteca (boesgbiblioteca@gmail.com), seja divulgando ao máximo a nossa situação, dentro e fora do estado português, e apelando à ajuda financeira para despesas judiciais, seja, finalmente, com a realização de jantares benefit a favor da BOESG.

A união das pessoas e colectivos que estão, ou podem vir a estar em risco, pode ser a única resposta eficaz, numa luta que é principalmente contra a lógica do capitalismo: o lucro dos proprietários está acima de tudo e é mais importante do que os direitos básicos das famílias, do que o acesso a espaços de convívio ou do que a existência de cultura. Acreditamos que, com a mobilização de todos, seremos capazes de vencer esta luta pela manutenção de um espaço com os objectivos e propósitos da BOESG.

Obrigado!

BOESG

https://www.facebook.com/events/558795114219777/

book

Atençâo: O Bookbloc feminista da RDA69 suspendeu a sessão marcada para hoje no espaço RDA e “transferiu-se” para a BOESG a fim de debater soluções alternativas e solidárias com estes companheiros (ver aqui: https://www.facebook.com/regueirao)