ELES QUE FALEM COM AS FORMIGAS! (Por um Abstencionismo Criativo)


Mais1

Segundo a tese de Alain Lancelot, professor catedrático de Sociologia no Colégio de França, normalmente os abstencionistas exercem quase sempre papéis sociais subordinados, são indivíduos mal integrados, correndo-se com eles o risco de as eleições se transformarem num debate entre privilegiados. O abstencionismo é, assim, a não participação no sufrágio ou em actividades políticas, equivalendo a apatia ou indiferença.

Normalmente…

Mas pode não ser assim. Nos Estados Unidos, na Grécia, na Suécia, no Reino Unido, etc., cresce cada vez mais um movimento espontâneo, consciente, a que chamaremos Abstencionismo Criativo.

Os cidadãos, as pessoas, cada vez percebem melhor que são de facto desenquadrados, desintegrados, desprezados pelo sistema de castas políticas, verdadeiros malandrins sociais, que ocuparam os cinzentos corredores da actividade governativa ou de poder.

Em suma, o poder está a fazer, e por vezes descaradamente, de nós todos cidadãos e pessoas supranumerários.

A melhor forma de lhes mostrarmos o nosso repúdio e oposição é deixarmos de lhes ligar meia. Não como os objectos de análise do professor francês, mas como cidadãos conscientes e que se respeitam. Que é isso de fazerem pouco de nós, de nos prejudicarem a cada passo? Com as suas mentiras ou, dito de forma politicamente correcta (risos) inverdades?

Como somos pessoas dignas, mandemo-los à fava, deixemo-los a falar com as formigas.

Mostremos que somos possuidores de espinha dorsal e não meros bonecos que eles manipulam a seu bel-prazer.

Não votemos. Deixemo-los o mais possível sós e mergulhados nos seus sujos joguinhos de interesses. Mandemo-los bugiar.

Vamos à praia, vamos até ao campo, vamos passar umas belas horinhas com a amada e vice-versa, vamos a um museu ou a uma Biblioteca – caso os encerrem fiquemos em casa a ouvir Cimarosa, Mozart, o Ennio Morricone.

A pouco e pouco, crescendo o nosso desprezo por eles, crescerá também o justo ressalto, numa cidadania atenta, exigente, que não vai mais em cantigas.

Pratiquemos um Abstencionismo Criativo.

MANUEL INÁCIO GRENHO CALDEIRA & NICOLAU SAIÃO

Desenhos “Mais do mesmo” 1 e 2, de João Garção

aqui: http://triplov.com/letras/nicolau_saiao/2009/Abstencionismo/index.htm

Mais2

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s