Month: Maio 2014

(Barcelona) Confrontos violentos após o despejo do CSO Can Vies


.

A manifestação de solidariedade e contra o despejo do CSO de Can Vies, em Barcelona, sob o lema “Barrio en pie de guerra” , que juntou muitas centenas de pessoas, terminou ao princípio da noite, com confrontos entre manifestantes encapuçados e a polícia.

Os manifestantes, vestidos de negro, irromperam pelas ruas do bairro queimando contentores do lixo e partindo montras de diversas lojas e entidades bancárias, bem como algum material dos jornalistas presentes, nomeadamente uma unidade móvel da TV3, que ficou praticamente destruída antes que os bombeiros conseguissem apagar as chamas.

A manifestação foi convocada em solidariedade com os ocupantes do CSO Can Vies, que começou a ser despejado por volta das 13,30h da tarde. O último resistente saiu cinco horas depois, cerca das 18,30h, e imediatamente após a sua saída o edifício começou a ser demolido.

O espaço, propriedade da empresa de transportes TMB, tinha sido ocupado há 17 anos por vizinhos do bairro de Sants, que ali desenvolviam diversas actividades comunitárias.

http://rojoynegro.info/articulo/agitaci%C3%B3n/v%C3%ACdeos-fotos-brutal-represi%C3%B3n-los-mossos-personas-protestaban-desalojo-can-vies-g

http://www.lavanguardia.com/local/barcelona/20140526/54409335064/altercados-manifestacion-desalojo-can-vies-sants.html

(Barcelona) Polícia tenta desalojar CSO Can Vies, activistas resistem


17 anos depois da ocupação, os Mossos (polícia autonómica catalã) começaram a desalojar esta segunda-feira o centro social autogestionado Can Vies, no Bairro de Sants, em Barcelona. À uma da tarde, no momento da chegada do aparato policial –  que incluía uma grua e um helicóptero – havia onze activistas no interior do edíficio dispostos a resistirem ao despejo, para o qual havia uma data limite no fim deste mês. Duas  pessoas continuavam há uma hora atrás no interior do edificio e desde o CSO Can Vies alertaram para que qualquer tentativa para os retirar “poria em risco a sua vida e a dos Mossos”.

Fora, na Praça de Sants, reuniram-se mais de duas centenas de pessoas para mostrarem o seu apoio, vizinhos do bairro e activistas de diversas idades, entre os quais alguns que ocuparam Can Vies há 17 anos e jovens estudantes, que levantavam um cartaz face ao cordão policial, o que provocou alguns incidentes por parte dos Mossos. Depois de duas horas frente ao cordão policial, a concentração dividiu-se para cortar todos os acessos à Praça de Sants em sinal de protesto. Entretanto, foi convocada uma manifestação para as 20 horas frente à Estação de Sants.

Nove dos activistas residentes foram saindo progressivamente, sem que tenha havido detenções, e foram recebidos com aplausos e gritos de solidariedade. Duas delas sairam fortemente atadas entre si pelos braços, fazendo parte da acção de resistêrncia. No interior, duas pessoas continuam a resistir dentro de um bunker de cimento com 15 botijas de gas butano no interior para evitar que a policia utilize ferramentas perfuradoras, segundo explica num vídeo o semanário La Directa.

http://www.alasbarricadas.org/noticias/node/30372

https://www.diagonalperiodico.net/libertades/23015-numerosos-activistas-resisten-al-asalto-policial-interior-del-centro-social-can

(CHIAPAS) Subcomandante Marcos “deixa de existir” na liderança do Exército Zapatista de Libertação Nacional


transferir (1)

“(…) Compas:
Depois de dizer isto tudo, sendo 02.08 do dia 25 de Maio de 2014 na frente de combate sul oriental do EZLN, declaro que deixa de existir o conhecido como Subcomandante Insurgente Marcos, o autodenominado “subcomandante de aço inoxidável”
Assim é.
Pela minha voz já não falará a voz do Exército Zapatista de Libertação Nacional.
Vale. Saúde e até nunca… ou até sempre, quem entendeu saberá que isso já não importa, que nunca importou.
Desde a realidade Zapatista
Subcomandante Insurgente Marcos.”

Assim termina o comunicado do EZLN, de 10 páginas, em que o quase desconhecido líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), o subcomandante Marcos, anunciou neste domingo (25) que deixa a liderança do movimento armado, alegando “mudanças internas” no grupo e referindo que não abandona o lugar por problemas de saúde, mas sim por “decisão colectiva”

“A substituição no comando não se dá por doença, ou morte, nem por deslocamento interno, disputa, ou depuração”, garantiu o subcomandante Marcos, cujo verdadeiro nome alguns meios de comunicação consideram ser Rafael Sebastián Guillén.

O EZLN foi criado em 1994 e a sua primeira acção teve lugar a 1 de Janeiro desse ano. É um movimento de auto-defesa, com características libertárias, fortemente implantado entre os indígenas do Estado mexicano de Chiapas, que nas últimas semanas tem sido alvo de atentados por parte da polícia e de grupos de milícias ao serviço dos interesses políticos e económicos dos sectores mais reaccionários da sociedade mexicana.

Este comunicado aparece assinado pelo Subcomandante Insurgente Galeano,  que deverá ser o “nome colectivo” da nova liderança do EZLN – em homenagem ao professor José Luis Solís López, conhecido por “Galeano”, assassinado no dia 2 de Maio em La Realidad, Chiapas.

Escuta aqui o discurso do Subcomandante Marcos ao anunciar a sua desaparição

http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2014/05/25/entre-la-luz-y-la-sombra/

http://www.jornada.unam.mx/ultimas/2014/05/25/anuncia-marcos-la-desaparicion-de-su-personaje-en-el-ezln-8089.html

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2014/05/25/mexico-historico-subcomandante-marcos-do-ezln-abandona-dirigencia.htm

http://www.publico.pt/mundo/noticia/subcomandante-marcos-abandona-a-lideranca-da-guerrilha-zapatista-do-mexico-1637441

Os números importantes das eleições europeias deste domingo


Capturar

Os números que interessam nas eleições de hoje em Portugal:

Votos brancos: 4,41%
Votos Nulos: 3,06%
Abstenção: 66,09%

Cerca de 70% dos portugueses mandaram os políticos e os seus partidos dar uma curva. Ou seja, em cada 10  portugueses apenas 3 foram na conversa dos vendedores da banha da cobra eleitoral. O sistema político vigente e os partidos que o apoiam e constroem (da extrema-direita à extrema-esquerda) valem o que valem. E neste caso valem quase nada.

Hoje: Caminhada na Fonte da Telha + Piquenique


cc

25/5: Caminhada na Fonte da Telha + Piquenique
9 horas – Caminhada (com identificação de plantas)
13 horas – Piquenique

DADOS DO PERCURSO

Extensão: 6 Km

Grau de dificuldade: Fácil

Duração: 4h

Como chegar:
Autocarros 127, 116 e 130 da TST.
De carro, pela Estrada Florestal, a partir da costa da Caparica. Pela Av. do mar a partir da Aroeira.

Ponto de encontro: Paragem da TST em frente à Brigada Fiscal.

Recomendações:
Levar roupa e calçado confortável; protector solar; e água (não há fontes de água para abastecimento durante o percurso).

Descrição do percurso:
Este percurso pedestre vai ser realizado na Mata dos Medos, inserida na Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa da Caparica.
Este é um local de elevada importância e valor ecológico devido à grande diversidade de espécies e habitats.
Neste percurso pretende-se descobrir algumas espécies da flora da Arriba Fóssil e a sua belíssima paisagem: matos de aromáticas, pinhais, camarinhais e outras comunidades e habitats.

https://www.facebook.com/events/618972464852828/

Agenda alternativa para este sábado (Massamá, Porto, Lisboa, Algés, Almada…)


(Massamá-Barcarena) Centro Social e Cultural Laranjinha, 9H

jornadas feministas

2º Dia das Jornadas Feministas “Sem Panos Quentes”

24 de Maio (Sábado)

9.15H – Pequeno Almoço

10.30H – O Romântico Também É Político (Dinâmicas e Debate)

15.00H – Introdução à Parte Mista – Grandes e Curtas Feministas

17.00H – Muitas Opressões, Mais Formas de Libertação (workshop)

20.00H – Jantar

23.00H – Festa

Panelas Depressão

Djane Cadela Sem Trela

https://www.facebook.com/sempanos.quentes

.

(Porto) Praça Marquês de Pombal, 15H

monsanto

Marcha Global contra a Monsanto

PERCURSO:
15h00 – Na Praça Marquês de Pombal
http://binged.it/12Lj8Cs
Saída: Marquês de Pombal
Passando por: Rua Santa Catarina – Rua Sá da Bandeira – Praça D. João I
Chegada: Avenida dos Aliados

https://www.facebook.com/events/1468119300085814/

 

(Lisboa) Largo de Camões, 15H

monsanto

Marcha Global contra a Monsanto

Queremos:
-apoios coerentes para a Agricultura em pequena escala
-Liberdade da Semente
-não ser expulsos de terrenos abandonados por ocupar com hortas
-defesa dos consumidores e não dos lucros
-Transparencia
-Menos burocracia nos processos “democráticos”

Contra:
-a privatização das sementes
-a concentração que há neste mercado,
-a diminuição de direitos dos agricultores (quem nos dá alimento!)
-o TTIP e o seu impacto quanto à soberania alimentar e a fragilização das normas europeias quanto aos químicos e tóxicos utilizados em tratamentos

Haverá novamente troca de sementes, jardinagem de guerrilha e no dia 25 uma workshop sobre a conservação das sementes organizada pela página (enviar mensagem ou e-mail para inscrição)

O TTIP (Parceria Transatlântica para o Comércio e Investimento) entre UE e EUA, visa harmonizar os regulamentos Europeus e Americanos (certamente não ficaremos melhor se este tratado for em frente, pretendem que seja finalizado em 2015 e 2016, irá ter um impacto em toda esta área e também no resto do mundo). Ver artigos do Corporate European Observatory para comprovar a sua falta de transparência, os seus métodos anti-democráticos e a sua agenda anti.humanitária

https://www.facebook.com/events/685023721555788/

 

(Algés) Fábrica de Alternativas, 18,30H

fabrica
Debate libertário “Anarquismo ou Anarquismos? Socialismo, utopia e revolução”

18H30 Filme “Land and Freedom de Ken Loach
20H30 Jantar
21H30 Debate libertário “Anarquismo ou Anarquismos? Socialismo, utopia e revolução”

As ideias fundamentais do anarquismo não se reflectem numa ideologia homogénea. Por essa razão, a diversidade de correntes ideológicas que se aproximam do anarquismo são distintas quanto aos meios e fins sociais que pretendem alcançar. Propõe-se introduzir e debater as diferentes linhas de pensamento que opõem comunitaristas a individualistas ou comunistas a colectivistas, partilhando, contudo, a negação do Estado como condição exigível para a realização de uma nova sociedade.

https://www.facebook.com/events/872250959455626/

 

(Almada)  Centro de Cultura Libertária, 20H

cozinhacomunitaria

Inserido nas comemorações dos 40 anos do CCL, Jantar de apresentação da Cozinha Comunitária das Terras da Costa

Sábado, 24 de Maio, pelas 20 horas, no Centro de Cultura Libertária

Jante à conversa com os moradores, arquitectos e mediadores, contribuindo assim para a continuação da construção da Cozinha Comunitária.

http://culturalibertaria.blogspot.pt/2014/05/24-de-maio-jantar-e-apresentacao-da.html

 

(Lisboa) BOESG, 20H

Livro Mes Maio (3)
.
Jantar e conversa sobre o  Livro do mês – “A contínua atracção do nacionalismo.” de Fredy Perlman
A crise económica do final da década passada libertou, mais uma vez, o espectro do nacionalismo. Ele reapareceu em força em vários países europeus através de representantes e movimentos  políticos de várias tendências que prometiam lutar contra os efeitos da liberalização dos mercados. O nacionalismo aparece sempre como arma de unidade identitária e é sob a sombra de uma  bandeira nacional que as pessoas se tendem a unir numa causa comum. Esse fenómeno foi  descrito por Fredy Perlman em “A contínua atracção do nacionalismo”, fazendo uma análise  histórica sobre como o nacionalismo, sob falsos pretextos identitários e promessas revolucionárias,  foi sempre um motor histórico do capitalismo, trazendo às costas uma enorme bagagem de atrocidades.  E é partir dele que pretendemos gerar um debate crítico sobre o nacionalismo.

(Eleições) As urnas não podem separar aqueles que a rua já uniu!


Publicação2

Não vão ser as urnas a separar-nos!

Desde sempre os anarquistas recusam ao sistema eleitoral as virtualidades que os chamados democratas lhe atribuem. Consideramos que o sistema representativo limita a democracia e apenas serve os interesses instalados dos políticos profissionais. Desde sempre que consideramos que não é através da tomada das funções do Estado que construímos uma sociedade nova, sem explorados nem exploradores, mas sim através da sua destruição.

No entanto para nós, anarquistas, não existem dogmas absolutos. Se há trabalhadores que ainda consideram que devem exercer o seu direito ao voto devem fazê-lo, votando em quem entendam. Nós somos pela liberdade – e a liberdade de voto é algo que defendemos integralmente– mesmo não a exercendo.

No fascismo e nas ditaduras comunistas o voto nunca é livre. É proibido. A liberdade de expressão e de escolha também. Nós somos a favor duma e doutra em todas as condições. E não vamos deixar que uma urna nos separe, a nós trabalhadores que não votamos, daqueles que votam.

Que cada qual exerça o seu direito como entender. Trata-se de um direito – nunca de um dever. E os direitos são para usarmos quando e se quisermos usá-los.

Viva a anarquia! As urnas não podem separar aqueles que a rua já uniu!

Grupo Kronstadt

22/5/2014

(recebido por email, com pedido de publicação)

(Porto) Contra a Monsanto, “Sementes da Liberdade”


sementes de liberdade

Sexta-feira, 23 de Maio, 21:30H, na Gato Vadio (Porto)

Esta noite, na véspera das manifestações globais contra a Monsanto (e que também vão acontecer em Lisboa e no Porto) a livraria/bar “Gato Vadio” vai passar o filme ” Sementes da Liberdade”.

Projeção/Debate do documentário “Seeds of Freedom”
(Sementes deaLiberdade)
Realização de Jess Phillimore
Locução de Jeremy Irons
Esta co-produção da Rede Africana de Biodiversidade (African Biodiversity Network) e da Fundação Gaia (The Gaia Foundation), consegue juntar um coro de vozes que
atravessa o mundo, e se manifesta contra o impacto dos Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e da agricultura industrial na biodiversidade e no modo de vida dos agricultores.
A história do cultivo da semente transformou-se numa história de perda, de controlo, de dependência e de ívida. Foi escrita por aqueles que querem obter lucros descomunais a partir do nosso sistema alimentar, independentemente das consequências e do custo real sobre as nossas vidas.

Está na hora de mudar a história…

aqui https://www.facebook.com/events/750369484983705/?ref_newsfeed_story_type=regular&source=1

monsanto

Marcha Global contra a Monsanto – Dia 24 de Maio

Porto: https://www.facebook.com/events/1468119300085814/

Lisboa: https://www.facebook.com/events/685023721555788/