Nós somos os 99%!


99_percent

«E eu pergunto aos economistas, políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico?»  Almeida Garrett, “Viagens na minha terra”

O último relatório da OXFAM em que se revela que, já no próximo ano, 1 por cento da população mundial terá mais riqueza do que os restantes 99 por cento vem dar especial significado à expressão criada por um anarquista (David Graeber) e popularizada pelo movimento Occupy nos Estados Unidos: we are the 99%.

O relatório refere que este fosso entre os mais ricos e os mais pobres não pára de crescer (em 2006 a relação era de 2% para 98%, aqui). Segundo a OXFAM, as 80 pessoas mais ricas do mundo detêm tanta riqueza como os 3.500 milhões (três mil e quinhentos milhões) das mais pobres.

Quando se trata de sacrifícios é comum ouvirmos que a crise obriga a que todos tenhamos que nos sujeitar a cortes nos salários, aumento da jornada de trabalho, impostos a dobrar, desemprego e tudo o mais. Todos não: há sempre um grupo todo-poderoso que ganha com as crises e que a austeridade nunca afecta, mas, antes pelo contrário, continua a acumular (e cada vez mais) lucros fantásticos.

Se da riqueza que produzimos uma parte importante vai sempre para o bolso dos patrões (através das mais valias) ou para o Estado (através dos impostos) a acumulação crescente de riqueza por parte de um número tão pequeno de grandes capitalistas significa que a exploração que sentimos na pele é também crescente e que cada vez afecta mais trabalhadores e mais pessoas a nível mundial, colocando a muitos em patamares de fome, má nutrição, miséria absoluta.

Cada vez tem mais actualidade a velha pergunta formulada por Almeida Garrett: “quantos pobres são necessários para produzir um rico?”. E a resposta é evidente: para haver um rico é necessário que existam cada vez mais pobres. Indicam-no os estudos, mas indica-o também a nossa percepção, a percepção de quem percorre as ruas dos nossos bairros, das nossas cidades e dos nossos países e vê por todo o lado miséria e exclusão por entre pequenos oásis de luxo e riqueza, geralmente fortemente protegidos. Muita miséria e muita exclusão lado a lado com a riqueza por todos produzida, mas de que um pequeno punhado se apropriou e apropria diariamente. Claro, enquanto os de baixo, os explorados e espoliados de todo o mundo consentirmos. E não será já tempo de acabarmos com este fosso e fazermos com que a riqueza seja distribuída de forma mais igualitária entre todos?

Arregacemos, então, as mangas…

David Santos (por email)

Neoliberalismo

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s