(26 de Março) Segunda edição do colóquio ‘Pensamento Libertário: Passado, Presente e Futuro’


confereênia

Vai-se realizar no dia 26 de março de 2015, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Sala Multiusos 2 – ID), a segunda edição do colóquio Pensamento Libertário: Passado, Presente e Futuro. Esta iniciativa é organizada pelo Grupo de Estudos Políticos e teve a sua primeira edição no ano passado, na Covilhã, na Universidade da Beira Interior, com vários painéis constituídos por intervenções académicas e militantes. Este ano a versão deste colóquio – por certo, também interessante – é mais académica, com a presença de alguns estudiosos não identificados com o pensamento ou a práxis libertária. No entanto, pode ser um bom momento de debate e discussão.

Painel da Manhã – Moderador: Tiago Ramalho;

09h45 – Sessão de abertura;
10h00 – A ideia de federalismo no pensamento de Proudhon (José Gomes André – FLUL);
10h30 – Antero de Quental e o socialismo anteriano (Fernando Catroga – FLUC);
11h00 – O anarquismo na primeira metade do século XX português (Fernando Rosas – FCSH-UNL);
11h30 – “Degenerados, desequilibrados e destituídos de senso moral”: Discursos e medidas de oposição ao anarquismo em Portugal até 1934 (Diogo Duarte – FCSH-UNL);
12h00 – Debate.

12h30 – 14h00 – Almoço

Painel da Tarde – Moderador: José Neves;

14h00 – Propriedade e política em Max Stirner (Bragança de Miranda – FCSH-UNL);
14h30 – Propriedade de si: total ou parcial? Libertarismo de esquerda e rendimento básico incondicional (Roberto Merrill – Grupo de Teoria Política – UM);
15h00 – Propriedade sem Estado no pensamento de Nozick e Rothbard (André Azevedo Alves – IEP-UCP);
15h30 – Debate.

Mesa Redonda – Moderador: Jorge Mateus;

15h30 – Feminismo intersecional e praxis anarquista: o caso da UMAR-Braga (Anabela Santos – UMAR);
16h00 – O Estado e os direitos dos Reclusos (Pedro Dores – Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento ACED);
16h30 – O ” Plano dos Biótopos de Cura” – Uma Estratégia Global para o Fim da Guerra (Projeto Tamera);
17h00 – Como ocupar um edifício abandonado e sobreviver. O caso da Fábrica do Braço de Prata (Nuno Nabais – FLUL);
17h30 – Apresentação da obra “Manual de Resistência Civil, Como se chega a desobedecer”, de Pedro Bravo;
18h00 – Debate;
18h30 – Encerramento.

Organização: Grupo de Estudos Políticos;
Apoio: Instituto de História Contemporânea.

aqui: https://www.facebook.com/events/1558733584375597

One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s