Dia: Fevereiro 19, 2015

MANIFESTO: CONSTRUIR UM POVO FORTE PARA POSSIBILITAR OUTRO MUNDO


Capturar

(Manifesto apresentado hoje em Madrid por vários activistas libertários)

Muitas pessoas recordam que na “Transição” a sociedade acreditou que era possível acabar com um regime que se desmoronava para criar novos modelos de ruptura. Lutou-se, mas acabou-se perdendo: os movimentos sociais foram assimilados; as organizações desmanteladas; e as lutas desarticuladas.

Actualmente o sistema enterrou a política do “consenso” e do “pacto social” própria do Regime de 1978 e da chamada Cultura da Transição. Uma forma de organização criada pelo próprio sistema para fazer frente às exigências de transformação social de uma classe operária poderosa e fortemente organizada. Negociar a mudança para que nada mudasse. Uma vez que fomos despojados das nossas referências ideológicas e organizativas e que conseguiram desvanecer a confiança em nós próprios, o regime, apoiado na desculpa da crise, deu por finalizada a estratégia de concertação social e lançou-se de cabeça na imposição do neoliberalismo por decreto com a justificação da crise económica.

Apesar da orfandade e da indefinição que nos foi inculcada como classe durante as últimas décadas, os níveis de descrédito e de afastamento que o sistema alcançou fez com que nos tivéssemos procurado e reencontrado novamente nas ruas e praças para enfrentar com ânimo a defesa das nossas liberdades e dos bens comuns frente a uma elite que deles se quer apropriar a preço de saldo.

(mais…)

Anúncios

(Estado Espanhol) Face aos projectos eleitoralistas, espaços e activistas libertários procuram novas formas organizativas


pueblo1

No Estado Espanhol continua viva a discussão em torno da necessidade de criar organizações que coordenem a actuação dos diversos espaços e activistas libertários, cuja acção decorre sobretudo junto dos movimentos sociais.

No campo sindical, o espaço libertário possui duas organizações fortes, a CNT e a CGT (sendo mesmo, em número de militantes, a CGT a terceira central sindical no Estado Espanhol, depois das CCOO e da UGT), mas no campo específico do movimento libertário têm sido criadas diversas estruturas com pouco peso e pouca relevância.

A FAI junta somente alguns grupos e mesmo assim, apenas de afinidade, quando hoje muitos militantes preferem organizar-se por locais de residência ou por interesses específicos.

Na Catalunha existe já desde há algum tempo o projecto de criação de uma organização de coordenação libertária – o Procés Embat -, enquanto que diversos activistas têm avançado propostas também nesse sentido, como é o caso de Carlos Taibo.

“Construindo um povo forte”

Hoje uma nova proposta nesse caminho foi apresentada publicamente em Madrid. Sob o lema “Construindo um povo forte”, o manifesto agora divulgado refere que “é o povo, e não os projectos ou siglas concretas só por si, quem pode conseguir novos avanços” sociais.

Segundo o Periódico Diagonal, este novo projecto pretende servir de espaço de confluência para colectivos e pessoas que, face aos projectos surgidos à volta da via eleitoral, apostam pela mobilização a partir de baixo.

(mais…)

(Diagonal) Como o “Daily Mail” serviu para ajudar os imigrantes de Calais


calais

Um grupo de activistas britânicos aproveitou uma oferta do diário para levarem ajuda humanitária a Calais onde vivem mais de 2.000 pessoas migrantes à espera de cruzarem o Canal da Mancha.

fermín grodira (*)

Um grupo de activistas britânicos decidiu utilizar uma oferta do jornal ‘Daily Mail’ para viajar a Calais, cidade onde sobrevivem milhares de imigrantes sem direitos, para os ajudar. O tablóide britânico ‘Daily Mail’ é conhecido pelo seu sensacionalismo e conservadorismo, com ataques dirigidos especialmente contra os imigrantes. O diário publicou uma oferta para os seus leitores: viajar a França por uma só libra, desde Dover até Calais de barco. Ofereciam ainda uma garrafa de vinho a quem cruzasse o canal da Mancha com o carro.

(mais…)

(repressão) Caso Rede Libertária (setembro de 2009)


uma-bala-nos-cornos1

A 10 de setembro de 2009, dois agentes da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária, munidos do respetivo mandato da Direção para a Ação e Investigação Penal (DIAP), entravam num apartamento em Lisboa. A ação policial visava a Rede Libertária, um blogue anarquista responsável pela publicação da seguinte imagem, a qual remete para o assassinato do jovem de 14 anos Elson Sances («Kuku») por parte de um disparo a 10 cm de distância realizado por um agente da PSP.

Num contexto em que o movimento anarquista grego colocava as suas garras de fora, a ação policial parecia enquadrar-se mais numa estratégia de recolha de informação do que noutra coisa qualquer. Além de um computador, várias publicações foram apreendidas, tendo o seu proprietário sido sujeito a interrogatório e constituído arguido, acusado de difamação e incitação à violência.

O caso, porém, nunca chegou às barras do tribunal. Meses após a apreensão do material, os investigadores concluíram que a dita imagem não havia sido nem criada, nem difundida naquele computador. No que respeita à informação que nele se encontrava, pouco se sabe se foi ou não considerada e/ou arquivada.

Algumas das notícias publicadas sobre o assunto tendem a enquadrar a ação judicial num processo de vigilância mais lato, dirigido a outras organizações, com especial preocupação relativa a contactos com o exterior.

Notícias publicadas:

Apreensão de computador em lisboa, no passado dia 10 de setembro (Rede Libertária)

Em relação à tentativa de criminalização da Rede Libertária (Rede Libertária)

PSP reforça a segurança a Sócrates (DN)

Movimento extremista ameaça Presidente de morte (DN)

Anarquistas também ameaçam Sócrates (JN)

aqui: https://observatoriodocontroloerepressao.wordpress.com/2014/12/27/caso-rede-libertaria-setembro-de-2009/

(O ressurgir anarquista) 1ª Jornada de Estudos Históricos do Anarquismo no México


cartelconvocatoria3

Num momento em que o anarquismo ressurge um pouco por todo o planeta, surgem também inúmeras iniciativas ligadas à recuperação da memória histórica do movimento libertário. Estas Jornadas Históricas, que se vão realizar na Cidade do México, de 20 a 22 de Abril deste ano, são disso um exemplo. As comunicações terão que ser enviadas até 22 de Março.

Ler programa completo aqui: https://edicioneslasocial.wordpress.com/2015/02/13/convocatoria-a-la-i-jornada-de-estudios-historicos-del-anarquismo-en-mexico-las-decadas-oscuras-1922-1975/