Dia: Março 25, 2016

Rolling Stones em Cuba: um cartaz


rolling stones

Rolling Stones em Cuba | cartaz do clube de fãs. [imagem Twitter/HIZUMI @showgan14]

O valor dos ícones para o capitalismo ou a importância da mercadoria-fetiche na sociedade do espectáculo globalizada.

“1
Toda a vida das sociedades nas quais reinam as condições modernas de produção se anuncia como uma imensa acumulação de espectáculos. Tudo o que era directamente vivido se afastou numa representação.

2
As imagens que se desligaram de cada aspecto da vida fundem-se num curso comum, onde a unidade desta vida já não pode ser restabelecida. A realidade considerada parcialmente desdobra-se na sua própria unidade geral enquanto pseudo-mundo à parte, objecto de exclusiva contemplação. A especialização das imagens do mundo encontra-se realizada no mundo da imagem autonomizada, onde o mentiroso mentiu a si próprio. O espectáculo em geral, como inversão concreta da, vida, é o movimento autónomo do não-vivo.

3
O espetáculo apresenta-se ao mesmo tempo como a própria sociedade, como uma parte da sociedade, e como instrumento de unificação. Enquanto parte da sociedade, ele é expressamente o setor que concentra todo o olhar e toda a consciência. Pelo próprio fato de este setor ser separado, ele é o lugar do olhar iludido e da falsa consciência; e a unificação que realiza não é outra coisa senão uma linguagem oficial da separação generalizada.

4
O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediada por imagens.

5
O espectáculo não pode ser compreendido como o abuso de um mundo da visão, o produto das técnicas de difusão massiva de imagens. Ele é bem mais uma Weltanschauung tornada efectiva, materialmente traduzida. É uma visão do mundo que se objetivou.

6
O espectáculo, compreendido na sua totalidade, é ao mesmo tempo o resultado e o projecto do modo de produção existente. Ele não é um suplemento ao mundo real, a sua decoração readicionada. É o coração da irrealidade da sociedade real. Sob todas as suas formas particulares, informação ou propaganda, publicidade ou consumo directo de divertimentos, o espectáculo constitui o modelo presente da vida socialmente dominante. Ele é a afirmação omnipresente da escolha já feita na produção, e o seu corolário o consumo. Forma e conteúdo do espectáculo são, identicamente, a justificação total das condições e dos fins do sistema existente. O espectáculo é também a presença permanente desta justificação, enquanto ocupação da parte principal do tempo vivido fora da produção moderna. (…)”

Guy Debord – A Sociedade do Espectáculo

cuba

Anúncios

(análise) Sobre a visita de Barack Obama a Cuba


obamacastro

Cayenas (*) negras para o degelo do Muro de Havana

Por Rafael Uzcátegui (**)

“Optar pela liberdade não é, como nos dizem, optar contra a justiça. Se alguém vos tira o pão, suprime ao mesmo tempo a vossa liberdade. Mas se alguém vos tirar a liberdade, estejam seguros de que o vosso pão se encontra ameaçado, porque este já não depende de vocês nem da vossa luta, mas sim da vontade de um amo. A miséria cresce à medida que diminui a liberdade e vice-versa” , – Albert Camus.

Que podemos dizer sobre os acontecimentos que têm lugar em Cuba nestes 20, 21 e 22 de Março de 2016? Algumas reflexões politicamente incorrectas, segundo a matriz das opiniões que temos lido nos últimos dias. Mas se, como aprendemos com Castoriadis, o projecto de autonomia começa quando alguém se interroga sobre a pertinência do que foi aprendido, e em consequência faz o esforço de pensar por si mesmo, não podíamos fazer menos por ocasião do degelo do Muro de Havana.

(mais…)