(internacional) CNT quer iniciar processo para “refundar a AIT”


AIT-web

A CNT quer dar a conhecer as decisões que tomou no seu Congresso de Dezembro de 2015 relativas à actual AIT. Julgamos que é necessário explicar a nossa posição sobre a deriva da nossa internacional para que a situação a que se chegou no seu interior seja publicamente conhecida e para que se possa iniciar com prontidão e garantias de êxito o processo da sua refundação. Comunicado da CNT.

Na CNT consideramos que a solidariedade internacional é imprescindível neste momento histórico de organização global do capitalismo. Como era de esperar, a crise económica serviu de desculpa para acelerar o processo de destruição das nossas conquistas enquanto classe operária. Ainda que este fenómeno não seja novo, tornou-se mais rápido e intenso nos últimos anos. Entendemos que esta ofensiva do capitalismo requer uma intervenção globalizada de defesa dos nossos interesses, uma extensão mundial da luta de classes dentro dos parâmetros do anarco-sindicalismo e do sindicalismo revolucionário. Mas acreditamos também que este esforço global tem que assentar sobre o trabalho local, de organização e luta, levado a cabo pro organizações com implantação e presença no seu território. A solidariedade internacional terá que surgir como extensão deste trabalho. O contrário é colocar a carroça à frente dos bois.

Lamentavelmente na AIT actual encontramos secções com muito escassa dedicação ao trabalho sindical no seu território e que fazem, pelo contrário, enormes esforços para fiscalizar a actuação de outras secções que fazem deste campo de actuação a sua prioridade, sejam maiores ou mais pequenas, não importa. Em resultado disso, desde há vários anos que a AIT é inoperante como veículo de implantação do anarco-sindicalismo e do sindicalismo revolucionário a nível internacional.

Insistimos, para que fique claro, que não se trata em nenhum caso de secções grandes ou pequenas. Todos somos infinitamente menores do que gostaríamos ou deveríamos ser. Mas há uma enorme diferença entre as secções focadas em tentarem conseguir uma maior presença ou relevância no seu território, que ensaiam estratégias, desenvolvem lutas e têm uma incidência, por pequena que seja, à sua volta, e as que levam anos sem realizar qualquer actividade sindical, mas vigiam inquisitorialmente as actividades das outras, de modo a que no seu afã de construírem uma alternativa anarco-sindicalista viável cometam algum pecado contra a pureza da AIT.

Já há algum tempo que, devido a estas contradições, vinha-se a assistir a uma importante crise interna, que rebentou com a expulsão da secção alemã, a FAU. Esta decisão, tomada unilateralmente pelo actual secretariado assente em motivos totalmente injustificáveis, foi ratificada posteriormente num Congresso Extraordinário, no Porto, em 2014. Aqui tornou-se evidente a conivência de uma série de secções qie, pese a sua escassíssima implantação no território e a sua nula orientação para o trabalho sindical, puderam impor o seu critério ao resto da Internacional devido à peculiar estrutura de tomada de decisões dentro da AIT. Todas as tentativas de desbloquear esta situação, a partir desse momento, resultaram infrutíferas, devido a nenhuma disposição para o diálogo por parte do actual secretariado (faltando deste modo aos mais elementares deveres do cargo) e à cumplicidade de uma série de secções que só existem na Internet.

Por tudo isto, é evidente que esta AIT é incapaz de ir mais além da solidariedade mais elementar nalguns conflitos sindicais e em casos pontuais. Por muito valiosa que esta possa ser e o muito que possamos gostar dela, a verdade é que se organiza sempre, como não podia deixar de ser, ao nível local, o que torna redundante a actual estrutura da AIT. Neste momento, ela está muito longe dos objectivos que deveríamos desejar para uma coordenação internacional. O contraste entre a realidade da AIT e a infraestrutura e a burocracia que a mesma implica, reforçou os aspectos mais excludentes, a conflitualidade interna e o controlo internacional a que nos referimos antes. Como resultado de ambos os lados, chegou-se ao ponto em que a situação interna impede qualquer tentativa de alterar esta deriva, pelo que faz que seja urgente recolocar-se o funcionamento e o projecto de trabalho da AIT.

Para materializar estas questões, a CNT propõe impulsionar um projecto para a refundação de uma internacional do anarco-sindicalismo e do sindicalismo revolucionário. Para isso estão a ser preparadas uma série de conferências e contactos com as secções da AIT que estejam interessadas num processo de refundação da Internacional, com base nas propostas que indicaremos de seguida, e com outras organizações que, sem serem actualmente filiadas na AIT, estejam interessadas em participar no processo de construção de um referente do sindicalismo revolucionário a nível mundial. Estas conferências e contactos terão por objectivo abordar a possibilidade de realização de um Congresso de refundação de uma Internacional do sindicalismo revolucionário.

Para a realização destas conferências a CNT apresenta as seguintes propostas como base organizativa da nova AIT:

Composição:

– Serão Secções os grupos que tenham como mínimo 100 pessoas filiadas e que solicitem ser considerados como tal num Congresso da AIT.

– Serão Iniciativas Anarco-sindicalistas os grupos que, querendo ser Secções da AIT, não tenham o número suficiente de filiados. Estes grupos cntarão com voz, mas não com voto. Poderão passar a Secções quando tiverem o número mínimo de filiados e se quotizem para a Internacional. Esta passagem não precisará da decisão de um Congresso, mas sim será motivo de informação em  qualquer encontro orgânico da AIT.

– Serão “Amigos da AIT” os grupos que, à margem do número de filiados, peçam essa condição. O seu estatuto será o mesmo que actualmente e para passar a Secções ou a Iniciativas Anarco-sindicalistas terão que apresentar o respectivo pedido a um Congresso.

Quotização

A quota a pagar pelas Secções integrantes da AIT será de não mais do que 0,10 euros por filiado e por mês.

Sistema de votação

Voto ponderado segundo o número de filiados:

De 100 a 500 – 1 voto

De 501 a 1.000 – 2 votos

De 1.001 a 5.000 – 3 votos

De 5.001 a 10.000 – 4 votos

Por encima de 10.000 – 5 votos

Legalização

É necessária a legalização da Internacional para defendê-la do uso indevido das suas siglas por parte de outros sindicatos não filiados que só procurem o prestígio delas ainda que não ponham em prática o anarco-sindicalismo e o sindicalismo revolucionário. As contas da organização devem deixar de estar em nome de particulares e devem passara a estar em nome da própria AIT, evitando ter que confiar cegamente na integridade moral de cada Secretaria que gere esses fundos.

Autonomia, abertura e dinamização

Julgamos que é urgente reverter a dinâmica excludente da AIT e a política de controlo interno das relações entre as secções e trabalhar com vista a uma política muito mais aberta e flexível. Baseando-nos sempre na acção directa como forma de luta, mas com capacidade para desenvolver um amplo leque de contactos internacionais com trabalhadores e trabalhadoras organizados em distintos sectores e conflitos, o que só pode redundar no fortalecimento da capacidade de trabalho internacional do anarco-sindicalismo e do sindicalismo revolucionário.

É imprescindível contar com a capacidade de realizar campanhas abertas a nível internacional em que possam participar uma pluralidade de organizações e iniciativas de trabalhadores e de trabalhadoras em campanhas concretas. Para além de outras próprias de uma organização internacional com maior nível de coesão; isto só se pode repercutir no fortalecimento da AIT.

As secções têm autonomia para terem relações pontuais no decorrer dos seus conflitos.

No trabalho internacional haverá sempre que usar o nome da secção junto ao acrónimo da internacional (AIT). Desta forma poder-se-á limitar o uso interesseiro do nome de qualquer secção para promoção de entidades externas. Qualquer tipo de contacto será realizado com a maior lealdade e transparência possíveis.

Formação Sindical

É imprescindível trabalhar profundamente em planos de formação sindical e em materiais concretos que se possam fazer, dentro da interacção que supõe a diversidade de legislações laborais e de realidades sócio-laborais que há no mundo.

Formação e troca de experiências

A CNT promoverá a realização de conferências de militantes sobre acção sindical na AIT, proposta que fará num encontro em que tal seja oportuno. Estas conferências de militantes serão bianuais com base em propostas de debate transmitidas pelas Secções e serão destinadas a debater sobre as diferentes experiências da acção sindical mos locais de trabalho. A elas serão convidados os integrantes da AIT e qualquer outro grupo que seja considerado importante convidar. À margem disto, e fazendo uso da sua autonomia, a CNT promoverá todo o tipo de conferências de forma aberta, se assim o considerar oportuno.

A CNT promoverá dentro da AIT a realização de jornadas de acção abertas, com base em experiências anteriores, com o fim de que esta e as suas secções sejam o motor da resposta operária e social contra o capitalismo.

Projecto de expansão internacional

Além de manter as actuais estratégias de contacto com organizações já constituídas e com realidades sindicais e sociais que tenham interesse em pertencer à Internacional, utilizar as actuais Secções sindicais da CNT que tenham mais peso e cujas empresas tenham presença no estrangeiro, do mesmo modo que outras secções de outros países possam fazer o mesmo na medida em que vão tendo implantação sindical.

Trata-se de que o Delegado ou Delegada da Secção Sindical, a Secretaria de Acção Sindical, a de Jurídica e a de Exteriores do SPCC (Secretariado Permanente do Comité Confederal) se coordenem para estabelecer contactos com os trabalhadores e trabalhadoras de outros países e incentivem  processos de organização e luta que partam de casos e objectivos concretos e que com o tempo possam superar o âmbito da empresa e consolidar organizações amplas que desenvolvam o anarco-sindicalismo e o sindicalismo revolucionário em todas as suas vertentes.

Simplificação de processos internos

É necessário simplificar os processos internos, torna-los claros e inequívocos. Desde a CNT se trabalharão diversas propostas concretas para clarificar funções e metodologias na AIT.

A partir da CNT vão-se iniciar de imediato contactos para a realização da conferência que assinalámos anteriormente, cujo objectivo será a preparação de um Congresso de refundação da AIT Durante este processo de refundação, e até que esta se torne efectiva, a CNT deixará de fazer as suas quotizações para a actual AIT.

Em conclusão, todas as actuais secções da AIT que queiram participar neste projecto de refundação estão convidadas a fazer parte dele. Os grupos e organizações anarco-sindicalistas e sindicalistas revolucionários que desejem somar-se à construção de uma alternativa que contribua, a partir da solidariedade internacional, ao crescimento e à implantação de alternativas locais fortes e centradas no trabalho real e prático, que façam frente no seu território à mais recente ofensiva do capitalismo, serão bem vindos. Este processo de refundação, que agora se inicia, é aberto e transparente. Informaremos detalhadamente os passos que forem dados e esperamos que se associem organizações de todas as partes do mundo, com as quais partilhamos o espírito libertário e de classe do anarco-sindicalismo e do sindicalismo revolucionário.

Viva la AIT! Viva o anarco-sindicalismo!

Viva a luta da classe operária mundial!

CNT (Confederação Nacional do Trabalho/Estado Espanhol)

aqui: http://www.cnt.es/noticias/la-cnt-por-la-refundaci%C3%B3n-de-la-ait-acuerdos-del-xi-congreso-de-cnt-sobre-internacionalismo

relacionado: https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2015/12/15/a-cnt-espanhola-pretende-ajudar-a-refundar-uma-nova-internacional-sindical-a-margem-da-actual-ait/

Anúncios

2 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s