(análise) Brexit: uma saída da União Europeia pelos piores motivos


nigel
O líder da extrema-direita inglesa, Nigel Farage, um dos principais apoiantes e defensores da saída do Reino Unido da UE, não esconde a sua satisfação pelos resultados do referendo
 .
Sobre o resultado do referendo que, por uma unha negra, aprovou a saída do Reino Unido da União Europeia, os comentários, mesmo no campo libertário, são diversos. Há quem considere que esta foi uma vitória da extrema-direita mais conservadora e ultramontana, seja da Grã-Bretanha, seja do resto da Europa; outros, criticando a construção europeia, de cima para baixo e cada vez mais dos Estados e menos dos Povos, acham que esta saída pode acelerar alterações profundas na construção da Europa que vão levar ao seu fim.
.
Os anarquistas, em principio, são federalistas, propõem-se o fim das fronteiras e estão contra o nacionalismo e o espírito patrioteiro. Uma Europa alargada, federal, sem fronteiras, de livre circulação, é um sonho que vem de trás (já Bakunin escreveu sobre isso). É claro que esta Europa que está a ser construída, com base nos estados e no poder dos mais fortes, centralizada, não é a Europa que pretendemos. Mas a saída do Reino Unido vai no sentido oposto ao que a maioria dos libertários defende, ou seja, vai no sentido da xenofobia, do retorno às fronteiras estatais e nacionais, do reforço dos estados centralizados e de economias onde os mais fortes são sempre os mais protegidos.
.
A aliança entre a extrema-direita e a ala mais radical dos conservadores (a que se aliaram alguns teóricos da extrema-esquerda, que não perdem um momento para lembrarem o quão irrelevantes se tornaram) verificada agora no Reino Unido é o exemplo daquilo que não queremos: o retrocesso no projecto de uma Europa aberta, de livre circulação, federal e cada vez mais igualitária. Uma Europa que não é a aquela que existe, de facto, nos organismos e na actual construção da União Europeia. Mas que ainda existe menos nos projectos isolacionistas, patrioteiros e proteccionistas, de medo ao emigrante e às diferenças, como os que levaram ao resultado do referendo britânico.
.
Se a União Europeia, como está, não é flor que se cheire, a saída, pelos motivos a que a extrema-direita britânica a defendeu (com os seus aliados de extrema-esquerda), é um verdadeiro lamaçal, ainda mais mal cheiroso.
 .
Luís Bernardes (via email)
 .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s