‘Elogio fúnebre’ lido no funeral de Júlio Carrapato


anarquismo
Foto de arquivo
 .
Breves palavras de homenagem ao anarquista Júlio Carrapato, escritas por Carlos Pimpão e proferidas no dia 24/06/2016, data do seu funeral, no cemitério “velho” da cidade de FARO, Algarve.
 .
   Conheci o Júlio em pleno “Verão quente” de 1975 em Évora. Eu, jovem licenciado em engenharia agronómica com 26 anos, ao serviço do Centro Regional de Reforma Agrária de Évora, do Ministério da Agricultura, Florestas e Pecuária e ele professor na recém-criada Universidade de Évora, licenciado em Ciências Políticas e Sociologia, na Universidade de Paris, França, então com 28 anos. Desenvolveu-se uma empatia imediata entre ambos, pois tínhamos preocupações intelectuais e revolucionárias com o movimento social que se formou após o 25 de Abril de 1974. Essas preocupações, forjaram uma amizade que durou até aos dias de hoje.
 
   O Dr. Júlio Filipe Neto de Almeida Carrapato, professor, escritor e autor, editor e livreiro morreu a 21/06/2016. O seu pensamento está presente e é partilhado por todos os que o conheceram. O seu ideal de uma sociedade livre, constituída por homens e mulheres também livres, é um legado para todos os que pensam, sentem e emocionam, que têm vontade e paixão, tudo propriedades da fisiologia humana, que só a VIDA possui, não se confundindo esta com a filosofia ou com a ciência. É esta ordem superior de organização social sem poder, que se chama Anarquia, o estádio histórico último do desenvolvimento social que se seguirá à Democracia classista tida pelos políticos como fim da História, [já deu o que tinha a dar que não é aperfeiçoável e ninguém quer a mítica e imutável “sociedade perfeita”, só a anarquia e um anarquismo prático, já que a perfeição não existe!], como dizia o Júlio Carrapato.
 
   Lembro-me que nos anos 80/90, numa troca de opiniões, o espanhol Raphael Martinez no Centro de Cultura Libertária de Almada, me ter dito que o Júlio Carrapato era o “Bakunine do séc. XX”, tal foi o seu contributo para a teoria e prática anarquista contemporânea na Europa.
 
   Separando o trigo do joio, não havendo lugar aos “neolibertários” que querem casar o Libertarismo com o Liberalismo, reclamando-se heterodoxos e flexíveis por oposição com os acratas autênticos, que são apodados por aqueles de “ortodoxos”, o que a fina flor da família democrática da heterodoxia quer, é liquidar, isolar e arrumar o anarquismo, que quanto ao Júlio, é uma heresia que a sociedade autoritária e capitalista mal suporta e tolera! Continua a ser “um cadáver recalcitrante” como diz Mercier Vega.
 
   O Dr. Júlio Carrapato foi um teórico e prático da acracia, que na sua escrita abundante e nas relações interpessoais que manteve, foi exuberante de gentileza e finura de “cavalheiro” que mereceu o respeito de todos e pela parte que me cabe, só me resta elevá-lo a um expoente máximo do Anarquismo português, ibérico e francês, do séc. XX e XXI, nunca esquecendo a sua inteligência, coragem e cultura, que tanto me influenciaram para formar a concepção voluntarista de anarquismo.
 
   − Só a VIDA pode criar VIDA! (Miguel Bakunine)
   − O Mundo “comunista” não é comunista e o Mundo “livre” não é livre! (Maurice Briton)
   − A liberdade só pode ser criada pela própria liberdade! (M. Bakunine)
   − Caminhamos para a liberdade, com o método da revolução, e para a revolução, com o método da liberdade! (E. Malatesta)
 
Adeus, amigo e companheiro!
 .
Carlos Pimpão
Advertisements

3 comments

  1. PRESTO AQUI SENTIDA HOMENAGEM A JÚLIO CARRAPATO.
    Antes de conhecer o Júlio pessoalmente, li alguns dos seus livros; no primeiro livro que li, disse para mim mesmo: como seria bom conhecer esta figura pessoalmente!!! Mais tarde, felizmente, encontramos-nos varias vezes na casa do grande companheiro Gabriel (que também já não está entre nós).
    Nos anos noventa fomos a Espanha a uma plenária da FAI, nos arredores de Madrid – eu, Júlio e mais alguns companheiros (…), o Júlio não voltou com o grupo porque tinha que ir a França.
    Se é um privilégio lê-lo, não era menos privilégio ouvi-lo! Companheiro de uma sabedoria invulgar do ideário anarquista; da história das lutas político/sociais, etc. – A sua coerência ajudou-me a reduzir as minhas incoerências!
    O Júlio se quisesse estaria no conforto burguês: No parlamento, ser ministro, secretário, etc.
    O Júlio envolveu-se ideologicamente nos valores da humanidade, e na luta contra a besta-humana; na emancipação e libertação do oprimido – por uma sociedade horizontal, etc.
    A melhor homenagem que podemos prestar ao Júlio é a continuidade da luta dentro dos princípios e dos valores anarquistas, que patentearam a sua história ao longo dos tempos…
    Abraço, Júlio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s