Jornal MAPA: “A comunicação social alternativa deve ter a capacidade de pôr em contacto as diferentes formas de lutar e criar”


rede-anrquista

Há um ano atrás quatro projectos e canais informativos, na web e em papel, juntaram-se e criaram uma rede de partilha e troca de informações. Guilhotina.info, jornal Mapa, pt.indymedia e Portal Anarquista formam esta rede que, apesar de todas as dificuldades, pretende romper o gueto informativo em que a comunicação e a informação anti-autoritárias, de base assemblearia, sempre tem vivido em Portugal. Como base para um artigo a ser publicado na próxima edição do jornal “A Batalha” sobre a Rede de Informação Alternativa pedimos a cada um destes projectos a resposta a um pequeno questionário. Começamos agora a publicar as respostas recebidas. Depois do jonal MAPA, seguir-se-ão as da Guilhotina.info, pt.Indymedia e Portal Anarquista.

*

jantar_benefit6102014

Quando, como e porquê surgiu o jornal MAPA ?

O jornal MAPA nasce em Dezembro de 2012, fruto da vontade de algumas pessoas, envolvidas já há anos em grupos ou acções anarquistas, em terem um meio de comunicação regular, generalista e acessível a qualquer pessoa. Algumas das necessidades que identificámos e que levaram à criação do jornal foram: a falta de projectos de informação crítica, não partidários; a falta de cuidado com a linguagem e a estética de vários projectos à nossa volta; a vontade de criar um jornal em papel (para além da difusão digital dos mesmos conteúdos) não propagandista, baseado mais no mapeamento de problemas e denúncia dos estragos do capitalismo, em vez de fazer a apologia de certos ideias ou políticas como a solução para os problemas atuais.

Como vêem hoje a informação alternativa em Portugal?

Hoje em dia existem alguns projectos formais de informação alternativa que se organizam em torno de colectivos como o MAPA ou a Guilhotina.info, por exemplo, mas existe um forte contributo, não apenas em Portugal, de grande escala, potenciado pelas redes sociais como o Twitter ou o FB e que constituem uma autêntica fonte de informação alternativa. Em momentos de crise social, e não só, é às comunidades e aos seus membros que estão mais “online” que recorremos para saber o que se passa e, mais do que isso, para perceber as diferentes narrativas que vão desde o que dizem os media oficiais ao que se passa efectivamente nas ruas.

No entanto, o facto de termos uma imprensa muito caracterizada pelos CMs e jornais parecidos faz com que seja essencial a existência de mais projectos que publiquem análises, reportagens e notícias bem fundamentadas e que não sejam a voz dos partidos ou da polícia. Portugal tem um número destes projectos incrivelmente pequeno quando comparado com Espanha ou França.

O espaço alternativo e assembleário constituiu-se em Portugal (e Espanha) nos últimos anos em torno dos movimentos de rua e de ocupação de espaços públicos. Houve manifestações aguerridas, que hoje parece não terem condições para se repetirem. Como vêm actualmente este movimento assembleário, de junção de lutas, e alternativo ao sistema representativo vigente? Que perspectivas futuras para os movimentos anti-autoritários, horizontais e de acção directa em Portugal? E para a comunicação social alternativa?

O momento que vivemos é de excepcional paz social controlada por aqueles que, antes, se encontravam na oposição, ou seja, a esquerda. No entanto, parece que, pelo resto do mundo, a crise social e política impõe-se de forma determinante, e disso são exemplo os protestos contra a Loi Travail recentemente, em França. Por cá, não podemos, regra geral, pensar nos mesmos termos ou forçar as comparações.  Também em Portugal existe uma profunda crise social, económica e ecológica que nos querem vender como solúvel a partir das soluções políticas e governamentais da geringonça. Mas parece-nos que as soluções surgem justamente noutros campos onde diversos movimentos desempenham um papel importante.

A comunicação social alternativa deve conseguir manter um olhar fixo sobre todas as experiências que apresentam visões horizontais de organização social, tanto sobre as que se organizam para lutar, como sobre as que se organizam para construir. No entanto, o importante é justamente fazer as pontes, ainda pouco construídas, entre diversas propostas e abordagens. A comunicação social alternativa deve ter esta capacidade de pôr em contacto as diferentes formas de lutar e criar.

O que é que o MAPA ganhou com a constituição da Rede de Informação Alternativa?

Em primeiro lugar, todos os projectos ganham com as parcerias e a as partilhas de conhecimento. Por outro lado, a criação de um espaço de debate para pensar a informação que fazemos é essencial se queremos continuar a desenvolver este tipo de projectos. Existe a possibilidade de coordenação e junção de esforços (mesmo que pouco explorada) para campanhas e momentos específicos, o que no caso da rede de informação alternativa tem particular interesse já que é composta por projectos que têm formatos diferentes (papel, site, fb, etc., etc.).

Anúncios

3 comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s