Cenas da vida conjugal (também a propósito do filme “uma nova amiga”)


filme

(Alegro ma non troppo). Tenho visto multiplicar-se por aqui a «teoria do homo rinocerontido». Esta teoria afirma que o homem deriva do rinoceronte pois é melhor estar só do que mal acompanhado. Não admira: o FB é uma tribuna para gente afectada e muito profissional, propagandistas partidários, de candidatos a qualquer coisa, eventualmente espaço para brincadeiras entre amigos, mas é sobretudo um lugar de fotos de cães, gatos e de máximas. Máximas que são guias para uma vida feliz, muitas vezes repassadas por gente mais ou menos só, mais ou menos frustrada e/ou mal acompanhada.

Mas ao contrário do que afirma a «teoria do homo rinocerontido», a maioria da espécie humana nasce e vive mal acompanhada: nasce quase sempre num país errado e numa família «nuclear», quando não «monoparental», com pais autoritários ou «bananas», mães frustradas, ambos esgotados pela flexibilização laboral ou por tarefas gestionárias, crianças que ainda bebés levam vidas estressantes a caminho da comuna-infantário na versão soft maoista.

Com sorte, as crianças têm avós por perto. Os felizardos crescem ainda com a noção de comunidade, crescem com a convicção que vivem numa sociedade que se importa com eles e que «valem alguma coisa» para além da posição que ocupam numa sociedade aferida pelo trabalho. Os místicos continuam a pensar na salvação pelo Estado-Nação. Os mais afectados, em versão existencialista, acham que os outros são «o inferno». São estereótipos evidentemente. Mas não é isso a que se refere a afirmação «mais vale só do que mal acompanhado». Refere-se aos afectos do casal, à vida infernal desenvolvida no gueto doméstico, que é objecto de excelente dramaturgia.

Ora, o homem não é um rinoceronte (Ceratotherium simum): não nasceu para viver sozinho, não se sente bem na «solitária» mesmo se tem a forma de apartamento-gaiola com tv, futebol, novelas e Internet. A «teoria do homo rinocerontido» é, na verdade, a teoria do «amor romântico» invertido.

O «amor romântico» foi amplamente cultivado nos últimos séculos e deu-nos óperas extraordinárias. No essencial, diz que o indivíduo deve buscar a «sua» felicidade na terra. E a felicidade consiste em encontrar a tal pessoa especial que nos faz feliz.

Esta revela-se frequentemente uma tarefa árdua, esgotante, frequentemente dolorosa, que tem a vantagem de, terminada a busca, o casal se aborrecer em privado. O indivíduo começa por consumir produtos de beleza, ginásios, discotecas e continua por aí fora pelo IKEA e pela WORTEN até ao empenhamento total… à banca.

No essencial, a «teoria do amor romântico» afirma que realização do indivíduo faz-se através do outro (objecto amoroso) e da “domus”, condição necessária para uma procriação «consciente».

Vem tudo isto a propósito duma fita que vi ontem: “uma nova amiga”. No essencial, retrata o amor «trans» no feminino. Um filme bem-intencionado, que pretende quebrar tabus (?), apaixonado pelo feminino na versão francesa de classe média-alta. Mas tudo acabou bem: com a formação de um novo casal com um novo rebento a caminho. Enfim, novas famílias. Mais um esterótipo. Tudo acaba bem desde que o código civil não seja abolido.

Que tédio! (Em baixo temos o supradito, espécie que, apesar da aparência, não tem sido capaz de resistir à economia de mercado por falta de flexibilidade e vida conjugal)

Paulo Guimarães (aqui)

rino

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s