Mês: Março 2017

(Lisboa) Exposição e Colóquio assinalam 200 anos do nascimento de Henry Thoreau


THOREAU

Assinala-se este ano o bicentenário do nascimento de Henry David Thoreau, um dos percursores do pensamento libertário, da ecologia e do ambientalismo. ‘Walden’ e ‘A Desobediência Civil’ são dois dos seus livros mais conhecidos e com tradução em português. Para assinalar os 200 anos do seu nascimento vai-se realizar nos dias 10 e 26 de Abril na Biblioteca Nacional, em Lisboa, um conjunto de iniciativas que vão contar com a presença de investigadores como Júlio Henriques, António Cândido Franco, Paulo Guimarães, Jorge Leandro Rosa e Paulo Borges, entre outros. (programa aqui)

(mais…)

Anúncios

(San Sebastian de los Reyes, 1977) O renascer da CNT


 .
Acabam de se completar 40 anos do enorme comício da CNT que teve lugar no dia 27 de Março de 1977 na praça de touros de San Sebastian de los Reyes, o primeiro depois das longas trevas franquistas.
 .
Nas palavras do então Secretário-Geral da CNT: “Ao meio dia a arena e as bancadas já estavam abarrotadas, oferecendo um espectáculo impressionante que os documentos fotográficos fazem chegar à posteridade. Juntaram-se umas 30 mil pessoas para ouvir a voz da CNT. O cenário era indescritível: centenas de bandeiras, os hinos da Organização, um grande clamor, as primeiras palavras de ordem que depois ouviríamos em milhões de reuniões e manifestações…” (Juan Gómez Casas. Relanzamiento de la CNT: 1975-1979)

(100 anos da Revolução russa)  “Para os anarquistas russos, o bolchevismo tinha-se convertido na contra-revolução”


pan

Acaba de ser apresentado em Espanha o livro “Por el pan, la tierra y la libertad: El anarquismo en la Revolución rusa”, do historiador Julián Vadillo Muñoz, que destaca o papel – sempre tão caluniado e esquecido – dos anarquistas na Revolução russa e a sua defesa intransigente da independência dos sovietes, que tinha sido a grande palavra de ordem, mobilizadora, dos primeiros dias da revolução. A elucidativa entrevista, que traduzimos, foi publicada ontem (28/3/2017) na edição online do jornal alternativo espanhol “La Marea”.

(mais…)

(solidariedade anarquista) Caravana de apoio aos projectos autogeridos na Grécia chega a Atenas


aqui: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10206561859324167&set=pcb.10206561874764553&type=3&theater

Chegada a Atenas da coluna de carrinhas com apoio solidário do movimento libertário internacional aos projectos autogeridos. Fica o testemunho emocionado de Eloise Lebourg, uma das participantes nesta caravana de 26 carrinhas desde França, Suíça, Espanha e Bélgica, no momento da chegada a Exarchia, o bairro anarquista de Atenas:

“É um dos momentos inesquecíveis da nossa existência… aquilo que acabamos de viver permanecerá como um dos mais emocionantes da minha vida… Nós (os 62 transportadores solidários) chegámos ao destino… Depois de voltas à praça a agitar as nossas bandeiras, encontrámos pessoas extraordinárias! Eu chorava através da minha câmara… os camaradas também … há alguns dias não nos conhecíamos mas, eis que acabamos de viver um momento de solidariedade e fraternidade tão intenso que acabávamos nos braços uns dos outros….

Este momento fará perdurar em todos nós a esperança que temos na humanidade… nós os utópicos, os anarquistas, os insubmissos, os zadistas, os okupas… juntos, vamos conseguir.

As crianças são impressionantes, têm já imensos amigos… e pouco importa a língua, pouco importa o percurso… eles já se apoiam e partilham os jogos…

Hoje nós choramos de alegria e recuperámos todas as nossas forças…

Venceremos… disso não há qualquer dúvida…”

Nova edição da revista “Flauta de Luz” vai ser apresentada em Lisboa e Évora


flauta de luz

DIA 8 DE ABRIL ÀS 18H, NA LIVRARIA TORTUGA (Rua da Penha de França nº 217-A, Lisboa), HAVERÁ DUAS APRESENTAÇÕES: Revista Flauta de Luz nº 4 & Alucinar o Estrume, em que estará presente Júlio Henriques, editor da revista e autor do livro.

Flauta de Luz nº 4

Num novo formato e com mais páginas, o recém-publicado nº 4 desta revista apresenta-se mais diversificado e sob o signo da crítica da cultura. Vários blocos temáticos abordam questões centrais: adaptação do ecologismo ao «capitalismo verde»; reformulações ambientalistas decorrentes desta contradição mortal; diversos aspectos da actual importância política das culturas vernaculares; crise terminal do modo de produção capitalista em algumas das suas expressões materializadas; dimensão tentacular da tecnociência como aprofundamento e interiorização das relações sociais capitalistas.

Uma parte dedicada à história sociopolítica portuguesa aborda o papel da música como tortura durante o fascismo, a grudada presença da mitologia colonial na «identidade lusíada» e o teatro de temática operária. São de sublinhar duas extensas contribuições: a do cineasta britânico Peter Watkins sobre a crise dos média audiovisuais e a do ensaísta sérvio Ljubodrag Simonovic sobre «o desporto como religião do capitalismo». E ainda uma primeira longa abordagem do cinema de José Vieira, e a ausência e presença do surrealismo em Portugal na sua relação com o pensamento libertário. Este número contém também várias participações de arte visual, poesia e ficção.

alucinar o estrume

Alucinar o Estrume

Nas franjas indefinidas de uma sociedade que avança, absurda e doente, para o abismo que superiormente cria e quer, vão surgindo, às apalpadelas, núcleos de gente em busca de sentido. De um sentido central, que clama a partir da entidade viva que é o solo. Entre os que migram da cidade para o campo, em busca de uma utopia à mão de semear, o naturalista Estêvão Vao exprime uma oposição liminar à demência do astronauta, ao paradigma que corporiza a indigente ambição de se viver na Terra fora da terra. (Antígona, 2017)

Rua da Penha de França nº 217-A
*
A apresentação do número 4 da Revista “Flauta de Luz” terá também lugar em Évora, no dia 29 de Abril, na Livraria Fonte de Letras, com a presença do editor, Júlio Henriques.

(Mina de São Domingos) Foto de Valentim Adolfo João e irmãos


foto valetim Adolfo João

(Foto retirada daqui com a seguinte legenda:
Não tenho vagar amor
Para te dar atenção ,
Tenho muito que fazer
Na minha Associação .
3 grandes mineiros que dariam a vida em prol dos direitos dos trabalhadores .
Antonio, Manuel e Valentim Adolfo Joao)

(mais…)

(Comunicado) Sobre o ataque em Londres


south-london-anti-fascists-activists

No dia 22 de Março teve lugar um ataque fora do parlamento em que quatro pessoas morreram e muitas outras ficaram feridas. Logo que isto aconteceu, Tommy Robinson, ex-lider do EDL(*) apareceu no local do ataque para falar dum choque de civilizações e de uma guerra contra todos os muçulmanos. As suas declarações acabaram com o anúncio de uma marcha em Londres convocada pelo grupo de extrema-direita Britain First.(**)

A verdade é que estes autodenominados “patriotas” estão encantados com o facto disto ter acontecido. Um fanático deu-lhes a oportunidade que desejavam de tentar provocar um conflito na sociedade com base nos sesu discursos raciais. Eles procuram reconstruir  os seus movimentos em queda à custa do sangue e das lágrimas derramadas pelas pessoas comuns, pretendem utilizar este ataque para justificar a sua própria marca de terror contra a população muçulmana deste país.

Mas não os vamos deixar.

O nosso grupo e a sua rede de apoio conhecem  esta ideologia reaccionária. Hoje os gritos da direita dirigem-se a nós, dizendo que este ataque foi provocado pela nossa tolerância face ao “extremismo islâmico” ou o nosso apoio aos direitos dos refugiados. Estas afirmações baseiam-se na suposição de que há um choque de civilizações neste país. Afirmam que a “cultura inglesa” e a “cultura muçulmana” não podem coexistir e que é inevitável uma guerra.

São mentiras

Os nossos companheiros do movimento antifascista e inclusivamente do nosso próprio grupo estão a lutar na linha da frente perto de Raqqa, a capital do ISIS. Os nossos companheiros lutam numa brigada internacional formada por todas as nacionalidades, religiões e géneros. Lutam juntamente com camaradas muçulmanos no YPG com o espírito do internacionalismo da classe trabalhadora e é desse espírito que hoje precisamos. A sua luta é uma luta contra as mesmas as forças da reacção que tentam dividir as nossas comunidades por motivos étnicos, é uma luta contra aqueles que gostariam de erradicar a minoria yazidi no Iraque, a mesma luta contra os que queimariam frequentadores da mesquita porque são muçulmanos.

Neste momento os fascistas apresentam-se com as mãos estendidas, dando as boas vindas, viradas para cima e abertas. É uma mão estendida que projecta uma sombra sobre a história moderna e que cresceu ao aldo das câmaras de gás de Auschwitz. Devemos recusar esta oferta com a maior rigidez e nojo e no seu lugar devemos cimentar os ideais do internacionalismo da classe trabalhadora. Se não enfrentarmos os fascistas nas ruas e não oferecermos uma alternativa à guerra de raças, seremos derrotados e as sombras do passado consumirão as nossas ruas.

Apelamos a todos os companheiros para que adoptem o lema “Não passarão!”. Destruamos a tentativa do Britain First de crescer à custa da morte dos londrinos. Apoiamos todos e cada um dos antifascistas que querem ver o fascismo derrotado por qualquer meio. Não passarão.

Todos os antifascistas são bem vindos a unirem-se a nós no dia 1 de Abril para se oporem ao Britain First e ao EDL.

London Antifascists

(*) English Defence League é um grupo de extrema-direita, anti-islâmico e que tem na sua história vários confrontos  directos, de rua, com movimentos anti-fascistas.

(**) Britain First é um partido de extrema-direita, fascista, assumidamente nacionalista, eurocéptico, anti-imigração, que fez campanha pelo Brexit. Advogam teses racistas e islamofóbicas e usam métodos ultraviolentos contra os adversários. Do ponto de vista eleitoral são praticamente irrelevantes, mas têm um peso considerável em certas franjas da sociedade inglesa.

aqui: https://londonantifascists.wordpress.com/2017/03/24/laf-statement-on-london-attack/

london-antif