Mês: Agosto 2017

(Estado Espanhol) Revista ‘Libre Pensamiento’ com dossier sobre as “Enseñanzas vivas de Mayo de 1937”


Screenshot

Já está disponível na internet a edição 90 da revista Libre Pensamiento da CGT espanhola, com um dossier dedicado às lições que nos ficaram de Maio de 1937, ano da ruptura entre comunistas e anarquistas na Revolução Espanhola.

Anúncios

(memória libertária) Francisco António Ximenes, alentejano de Via Glória – Mértola


21014122_1623172204381126_5852697530011877370_o

Francisco António Ximenes, trabalhador rural, anarquista, membro do grupo anarquista “Via Anárquica”, de S. Bartolomeu de Via Glória – Mértola, aqui evocado pela antropóloga Paula Godinho:

“Pertenceu a uma geração em que o anarquismo cativava, nos campos do sul. O meu pai falava dele, como de Gonçalves Correia, com admiração, e o meu avô foi amigo de ambos. A PIDE perseguiu-o toda a vida, pois sabia-o capaz de levantar os ceifeiros e outros trabalhadores por melhor salário e redução de horário. Crimes terríveis, claro. Mas do que mais gostava o tio Ximenes era de falar de vegetarianismo, de milenarismos niveladores e de soltar pássaros que viviam em gaiolas. Perigosos, estes alentejanos.” (Paula Godinho)

Europa: o regresso da pena de morte


.

Com o surto do chamado terrorismo islâmico de “baixa intensidade” em varias capitais europeias, em que os instrumentos de ataque são carrinhas que abalroam transeuntes, os Estados europeus suspenderam a pena de morte e deram autorização às polícias para primeiro dispararem e depois perguntarem.

Nesta leva, que ameaça o regresso à lei da selva, os suspeitos – só por o serem – são abatidos e executados sem mais. Em Espanha o alegado condutor da carrinha nas Ramblas, ao fim de quatro dias, desarmado, sozinho, extenuado e perdido entre vinhas e vinhedos foi simplesmente executado – sem acusação, sem julgamento, sem nada.  O mesmo aconteceu a um português em França, deficiente mental, que foi executado com 20 balas.

O Estado – todos eles – e a polícia andam exultantes. Á margem da lei e do direito já podem disparar e executar quem quiserem – sem que nenhuma voz se levante e diga o que é urgente dizer: cada vez mais este terrorismo se parece a um serventuário dos regimes ocidentais que lucram duplamente com a venda de armas a países como a Arábia Saudita (a mãe de todos os terrorismos islamistas) e com a securitização que hoje se verifica por toda a Europa, em que a polícia e as forças de segurança têm poderes desmedidos, muitas vezes à margem da lei, através de medidas excepcionais, em detrimento das liberdades e direitos individuais e comunitários que são, regra geral, simplesmente ignorados.

(Cova da Piedade) Morreu Manuel Vieira


DSC09697

Recebemos a informação que morreu o companheiro Manuel Vieira, residente na Cova da Piedade e colaborador do jornal “A Batalha”. Manuel Vieira faleceu a 14 de Agosto, tendo o funeral sido realizado no dia seguinte para o cemitério do Feijó.

Manuel Vieira esteve também ligado à alteração da designação de algumas ruas de Almada, fazendo com que nelas figurasse a presença libertária.

As nossas condolências à família, aos amigos e à redacção do jornal “A Batalha”. Que a terra te seja leve, companheiro!

https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2015/01/28/rua-francisco-ferrer-na-cova-da-piedade/

http://mosca-servidor.xdi.uevora.pt/projecto/index.php?option=com_jumi&fileid=12&id=1598