(poema) CHÃO


Vegan

a propósito do do dia mundial do veganismo (1 de Novembro)

Além do humanismo
Há a necessidade de libertação
Aos explorados sob os garfos e
Sobre o pátio do matadouro
Da pele que te cobre
Do relincho e do mugido
Do grasnar e do pio
Que não atende teu ouvido.
Tua piedade restrita e calada
Se for ignóbil não vale o gesto
Da tua mão quando te fazes
Carrasco:
Evita em ti a sede pela domesticação
Seja tua ou do outro e
Seja humano
Ou não. Recorda:
A faca que deita o gado na degola
Vende o mesmo lucro que te imola.

Augusto de Sousa

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s