(memória libertária) Placa alusiva ao anarcosindicalista Valentim Adolfo João na casa onde viveu na Mina de São Domingos


valentim adolfo joão

aqui: https://www.facebook.com/groups/Amigos.da.Mina.S.Domingos/

Valentim Adolfo João “nasceu em Aljustrel a 30 de Março de 1902. Com 3 anos de idade foi adoptado por familiares em virtude de doença dos pais. Pouco depois entrou na escola, completando o 2.° grau e ganhou, do director das Minas de S. Domingos, Wiliam Nevil, no acto do exame, um lindo relógio de prata. Em 1915 entrou a trabalhar no Laboratório Químico das Minas. Mas a guerra obrigou-o a interromper este trabalho, só retornando a ele a partir de 1918. A questão social latente levava às minas a necessidade do sindicato dos mineiros. E como Valentim fora peça importante na sua fundação, expulsaram-no do emprego em Abril de 1924. Só voltou ao Laboratório em 1931. A sua actividade efectiva começou em 1923 com a defesa dos interesses dos trabalhadores da região do Concelho de Mértola, da parte de Cambas, margem esquerda do Guadiana. Duas vezes a sua casa foi invadida pela polícia e teve seus os pertençes domésticos destruídos. Nos anos de 1924-1930, exerceu cargos directivos no Sindicato dos Operários da Indústria Mineira, das Minas de S. Domingos, em defesa dos direitos da classe. Por ter participado da greve das minas em 1932 teve que exilar-se durante 4 anos, em Espanha, perto da fronteira. Em Agosto de 1936 regressou clandestinamente a Portugal, vivendo entre os corticeiros do Barreiro até fins de 1937, passando então para Setúbal, sempre lutando por suas ideias. Participou do atentado a Salazar e, escapando à caçada policial, foi lutar em Espanha, em defesa dos seus ideais, até ao final da guerra civil. Retornou a Portugal e viveu na clandestinidade até ser preso, no dia 30 de Outubro de 1949, na estação do C.F. de Setúbal. A 2 de Fevereiro de 1950 deu entrada no Forte de Peniche, depois de ter passado algum tempo no Aljube. Quinze anos depois, em 29-4-1964 foi posto em Liberdade. Morreu em 29 de Janeiro de 1970, em Setúbal, e no seu funeral a P.I.D.E. ainda esteve presente para “ter a certeza” que o anarquista morrera mesmo!.” Depoimento prestado pelo seu filho Valentim Adolfo Fischer, em Setúbal, a E. Rodrigues

Valentim A. João foi delegado ao Comité Confederal da C.G.T. nos anos ’30, activo organizador da Federação Mineira e Metalúrgica e das acções de resistência em São Domingos (Mértola) às iniciativas dos governos da ditadura contra os trabalhadores (como o desconto dos 2% por exemplo). Foi organizador das caixas de solidariedade e das mutualidades mineiras para auxílio na doença e no desemprego. Refira-se também que o seu irmão Manuel Patrício (operário mineiro, “mais inclinado para o Partido Socialista”, testemunho oral prestado em 1984 a P.G.) manteve um papel activo no sindicato em Aljustrel a partir de 1923. Mesmo no exílio forçado após a greve de 1932, V. A. João não deixou de ser um actor influente junto dos homens que permaneceram nos sindicatos nacionalistas.

aqui: http://mosca-servidor.xdi.uevora.pt/arquivo/?p=collections/findingaid&id=166&q=&rootcontentid=444

Relacionado: https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2013/02/02/valentim-adolfo-joao-nao-tenho-vagar-amor/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s