Noam Chomsky: «Superaremos a crise do coronavírus, mas temos crises mais sérias pela frente”


Noam Chomsky, conhecido linguista e analista político norte-americano, de 91 anos de idade, falou com Srećko Horvat na DiEM25 TV do Arizona, Estados Unidos, onde está em isolamento devido à pandemia. Chomsky assinalou que a crise sanitária do coronavírus é muito grave e terá consequências sérias, mas será temporária, enquanto que há duas tragédias mais graves para a humanidade que têm sido intensificadas pelas políticas neoliberais e que, depois desta crise, as opções serão: ou estados mais autoritários e brutais ou uma reconstrução radical da sociedade em moldes mais humanos.

Segundo Chomsky, é chocante que neste momento crucial Donald Trump, a quem descreve como um palhaço sociopata, seja o protagonista. “O coronavírus é bastante serio, mas vale a pena recordar que se avizinham duas ameaças muito maiores, muito piores do que qualquer coisa que tenha acontecido na história da humanidade: Uma é a crescente ameaça duma guerra nuclear e outra, naturalmente, a crescente ameaça do aquecimento global. O coronavírus é horrível e pode ter consequências aterradoras, mas haverá recuperação. Enquanto que as outras ameaças não terão recuperação. São um acontecimento definitivo”.

O poder dos Estados Unidos é assustador. É o único país que quando impõe sanções a outros estados, como o Irão ou Cuba, todos os outros têm que seguir a corrente. Também a Europa que segue o mestre, argumenta Chomsky. Estes países sofrem as sanções dos Estados Unidos, mas , sem dúvida, “um dos elementos mais irónicos da crise do vírus na atualidade é que Cuba está a ajudar a Europa. Alemanha não pode ajudar a Grécia, mas Cuba pode ajudar os países europeus”. A juntar à morte de milhares de imigrantes e refugiados no Mediterrâneo, Chomsky pensa que a crise da civilização do Ocidente é, neste momento, devastadora.

A retórica atual que se refere a um tempo de guerra tem certa importância, segundo Chomsky. Se queremos resolver esta crise temos que passar por algo parecido com a mobilização em tempos de guerra. Por exemplo, a mobilização financeira dos Estados Unidos na II Guerra Mundial, que levou o país a uma dívida muito maior e quadriplicou a produção industrial dos Estados Unidos, o que levou ao crescimento. Necessitamos agora desta mentalidade para superar esta crise a curto prazo e que pode ser levada a cabo pelos países ricos. “Num mundo civilizado, os países ricos estariam a dar ajuda aos mais necessitados, em lugar de os estrangulá-los”. “A crise do coronavírus pode fazer com que as pessoas pensem qual o tipo de mundo que queremos”.

Chomsky acredita que nas origens desta crise estão o colossal fracasso do mercado e das políticas neoliberais que intensificaram os já profundos problemas socioeconómicos. “Sabia-se desde há algum tempo que as pandemias são muito prováveis de acontecerem e sabia-se também muito bem que era provável haver uma pandemia do coronavírus com ligeiras modificações relativamente à epidemia de SARS. Podia-se ter trabalhado em vacinas, no desenvolvimento de proteção para possíveis pandemias do coronavírus, e com pequenas alterações poderíamos ter hoje vacinas disponíveis”. Enquanto que para a Grande Indústria Farmacêutica, para as tiranias privadas, nas quais é impossível que o governo intervenha, é mais rentável fazer novos cremes para o corpo que encontrar uma vacina que proteja a s pessoas da destruição total. A ameaça da poliomielite desapareceu com a vacina de Salk, de uma instituição governamental, sem patentes, disponível para todos. “Isto poderia ter sido feito deita vez, mas a praga neoliberal bloqueou essa possibilidade”.

A informação estava ali, mas não lhe prestámos atenção

 “Em outubro de 2019 houve uma simulação em grande escala nos Estados Unidos, no cenário de uma pandemia deste tipo, mas não se fez nada. Não prestámos atenção à informação. A 31 de Dezembro, a China informou a Organização Mundial de Saúde sobre a pneumonia e uma semana depois alguns cientistas chineses identificaram-na como um coronavírus e deram essa informação ao mundo. Os países da zona, China, Coreia do Sul, Taiwan, começaram a tomar medidas e parece que a contiveram, pelo menos durante a primeira vaga da crise. Na Europa, até certo ponto, isso também aconteceu. Alemanha, que se tinha mexido a tempo, tem um sistema hospitalar fiável e foi capaz de atuar em função dos seus interesses, sem ajudar os outros países, mas sim a si própria, pelo menos para conseguir uma contenção razoável. Outros países simplesmente ignoraram a situação, o pior deles foi o Reino Unido e o pior de todos foi os Estados Unidos”.

Quando esta crise for superada de alguma maneira, as opções disponíveis vão desde a instalação de Estados brutais altamente autoritários até à reconstrução radical da sociedade em moldes mais humanos, preocupados pelas necessidades humanas em vez do lucro privado. “Existe a possibilidade de que as pessoas se organizem, se comprometam, como muitos estão a fazer, e consigamos um mundo muito melhor, que também enfrente os problemas com que nos vamos confrontar no futuro, os problemas da guerra nuclear, que está mais perto do que nunca, e os problemas das catástrofes ambientais das quais não há recuperação uma vez que tenhamos atingido esse patamar, que não está longe, a não ser que atuemos de forma decidida”.

 “Deste modo estamos num momento crítico da história da humanidade, não só pelo coronavírus, que nos devia levar à consciencialização das profundas imperfeições do mundo, das características profundas e disfuncionais de todo o sistema económico que tem que mudar, se quisermos que haja futuro. Por isso, isto podia ser um sinal de advertência e uma lição para aprendermos a lidar com isso e evitar que expluda. Pensando nas suas causas e em como essas causas vão conduzir a crises ainda priores do que esta”.

Sobre a situação de quarentena com que se confrontam hoje mais de 2.000 milhões de pessoas no planeta, Chomsky assinala que essa forma de isolamento já existe há muitos anos e que é muito prejudicial.

 “Estamos agora numa situação de verdadeiro isolamento social. Há que superá-la reconstruindo os laços sociais de qualquer maneira e de qualquer tipo, que possam ajudar as pessoas mais necessitadas. Contactando com eles, criando organizações, desenvolvendo análises. Antes de os tornar funcionais e operativos, é preciso fazer planos para o futuro, juntando as pessoas da forma como pudermos na era da internet, para se unirem, consultarem, deliberar de forma a encontrar respostas para os problemas com que se confrontam e tentar resolvê-los. Isso pode fazer-se. Não se trata duma comunicação cara a cara, que para os seres humanos é essencial. Contudo, estaremos privados dela por algum tempo, pode-se pô-la em pausa”.

Noam Chomsky conclui dizendo. “Há que encontrar outros caminhos e continuar, e isso feito, alargar e aprofundar as atividades realizadas. Isso pode-se fazer. Não será fácil, mas os humanos já enfrentámos problemas deste tipo no passado”

aqui:https://kaosenlared.net/noam-chomsky-superaremos-la-crisis-del-coronavirus-pero-tenemos-crisis-mas-serias-por-delante/

Noam-Chomsky-coronavirus-720x405-1

One comment

  1. A Pandemia de Coronavírus não é uma simples enfermidade que a COMUNIDADE GLOBAL precisa combater como a MÍDIA INTERNACIONAL nos quer fazer acreditar falando sobre o tema 24 horas por dia. É um PLANO ARTICULADO pelas Super Potências Mundiais, especialmente a China y a Rússia, para a implantação da MOEDA DIGITAL y é também o primeiro passo da História da humanidade para o estabelecimento do CONTROLE SOCIAL GLOBAL TOTAL. Todas as economias tradicionais físicas (moedas físicas) estão migrando para as plataformas digitais y logo logo a moeda física irá acabar. A Pandemia visa enfraquecer as economias mundiais y principalmente acelerar y implantar esse NOVO MERCADO DIGITAL.

    O CONTROLE SOCIAL será regra no Mundo Global com câmeras de vigilância estatal global em todos os lugares y outras tecnologias de bolso que fazem o papel dos espiões na Guerra Fria. Computadores, celulares, smartphones, drones y todas estas tecnologias são resultado da Guerra Fria. São armas. São instrumentos de guerra. Não são brinquedos ou objetos criados para o bem estar social.

    Infelizmente a Sociedade Global já está com seus dias contados. O Globalismo irá destruir o Ideal Anarquista y todos os ideais contrapostos.

    Pensadores como Chomsky (entre outros) estão caducos y velhos demais para opinar qualquer coisa. São vítimas do secularismo. Nunca serão pensadores de vanguarda. São míopes para o futuro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s