anarquismo no mundo

(video, com legendas em português) Sem deuses nem mestres – Uma história do anarquismo


Sem deuses nem mestres, uma história do anarquismo

O projecto inicial deste filme (concluído em 2016) começava em 1840, data da publicação do livro “O Que é a Propriedade?” de P.J. Produdhon até 2001  quando, segundo o realizador T. Ramonet, as manifs contra o G8 em Génova marcaram junto das novas gerações a reemergência dum movimento antiautoritário. Por razões de orçamento a última parte não foi concluída.

Mais uma vez a história do anarquismo pára nas derrotas que sofreu e fica o sentimento de que “foi uma boa ideia mas o contexto histórico mudou, etc…” Por isso, seria importante que a última parte fosse terminada.

http://federation-anarchiste25.over-blog.com/2017/04/ni-dieu-ni-maitre-une-histoire-de-l-anarchisme.html

entrevista com Tancrède Ramonet – https://www.revue-ballast.fr/tancrede-ramonet/

 

Anúncios

(Cuba) Abre Centro Social e Biblioteca Libertaria em La Habana


1

Nota: Hás dois anos fazíamos eco de um processo de um processo de crownfunding para criar um Centro Libertário em Cuba. O Centro foi inaugurado no passado dia 5 de Maio.

5.jpg

Taller Libertario Alfredo López (La Habana)

Inicia-se este 5 de Maio de 2018 em Cuba uma nova etapa no processo de autoemancipação de um grupo de cubanos e cubanas com a abertura da ABRA: Centro Social e Biblioteca Libertaria.

Esta iniciativa do Taller Libertario Alfredo López (iniciativa anarquista, anti-autoritária e anticapitalista surgida em 2012, que forma parte da Federação Anaraquista do Caribe e da América Central), com o efectivo e vital envolvimento de colectivos afins, como o Observatório Crítico Cubano, Guardabosques, assim com alguns outros contributos individuais, tenta construir um espaço autónomo e sustentável na Cuba de hoje

Um espaço para promover experiências e práticas independentes de qualquer governo estrangeiro ou nacional, ou instituições que os representem, centrado nas capacidades de quem se envolve nas actividades. Desde ABRA insistiremos numa prática que prefigure o tipo de sociabilidade que sonhamos, e um tipo de relacionamento amigável com o meio ambiente, que se traduz num mínimo de consumo com um máximo de soluções próprias não contaminantes.

Esta nova iniciativa é essencialmente anticapitalista, pois o capitalismo promove um tipo de relações entre as pessoas baseadas no utilitarismo, na supremacia, na concorrência, no lucro, tudo o que não conduz à sociabilidade a que aspiramos. O anterior é sustentado pelos Estados, as empresas e corporações que dominam e pilham o mundo e o nosso país. Por isso, o Centro Social coloca-se nos antípodas de tudo isso.

Por outro lado, a emancipação não é possível se não se fizer parte das comunidades. É por isso que ABRA existe face a elas e dentro delas, não é alheia às opressões que sofrem, nem às vitórias que a sua luta consegue: De igual modo, envolve-se nas dinâmicas de resistência e criação de outros grupos afins, a quem lhes damos espaço no nosso Centro e nos nossos projectos. ABRA pretende trazer um espaço para todas as sociabilidades, pessoas e grupos de afinidade que não se limitem ao estreito marco do governo-oposição e coloquem a abordagem directa e por conta própria das diversas questões da vida quotidiana e da criação em todas as esferas da realidade.

Este espaço situa-se activamente contra todas as discriminações por motivos de raça, origem étnica, género, sexualidade, orientação sexual, identidade de género, território, nível de instrução, estatuto económico, ou qualquer outra contra a dignidade das pessoas. Do mesmo modo, reconhece a pluralidade de pensamentos (políticos, ideológicos, morais, etc.), sem nunca renunciar a exercer os seus.

O Centro Social constitui-se como espaço de comunicação social horizontal para dar voz às experiências nacionais e internacionais que não têm interesse para as agências hegemónicas, mas que revelam uma perspectiva antiautoritária e emancipatória que interessa aos que lutamos em Cuba.

Aqui meios e fins não se contradizem: são a horizontalidade, a liberdade individual, a participação efectiva a partir do envolvimento directo.

aqui: http://alasbarricadas.org/noticias/node/39903

Imagens dos preparativos prévios na Biblioteca e no exterior do Centro Social.

234

 

Eduardo Colombo (1929-2018). Um grande lutador anarquista que nos deixa


eduardo colombo

Hoje, terça-feira, 13 de Março, a triste notícia do falecimento de Eduardo Colombo dói-nos de forma dolorosa. Com Eduardo não só desaparece um querido e fraternal companheiro, mas também um pensador de primeiríssimo plano e um militante anarquista de convicções inabaláveis.

Corriam os anos quarenta quando o jovem estudante Eduardo Colombo se envolveu intensamente no movimento anarquista da sua Argentina natal participando nas lutas anarco-sindicalistas da FORA (Federação Obrera da Región Argentina), colaborando e assumindo responsabilidades de direcção no seu importante periódico “La Protesta”. Passou desde então um extenso período de mais de setenta anos durante o qual Eduardo Colombo não abandonou nem um só minuto o seu precoce e intenso compromisso com “a ideia” e com a causa dessa ansiada Revolução Social pela qual lutou toda a sua vida com inesgotável entusiasmo.

Médico e psicanalista, também foi professor de psicologia social na Universidade de Buenos Aires até que o golpe militar de 1966 o expulsou das suas tarefas docentes e o obrigou, poucos anos mais tarde, a procurar asilo em Paris onde chegou com sua companheira Heloisa Castellanos em 1970. Ali, pese as dificuldades para se reposicionar profissional e socialmente, não hesitou em envolver-se de imediato nas actividades do movimento anarquista em França, ao mesmo tempo que estreitava laços com a luta antifranquista do exílio libertário.

A sua vontade de interligar permanentemente pensamento e acção levou-o a situar-se como um dos teóricos mais importantes do anarquismo contemporâneo, ao mesmo tempo em que participava em dezenas de eventos no plano internacional. Mencionemos como simples exemplo dessa incansável actividade internacional a sua participação, como conferencista, nas jornadas libertárias de Barcelona em 1977, a sua contribuição para a organização do extraordinário encontro anarquista internacional de Veneza em 1984 ou suas intervenções no encontro anarquista internacional de Saint-Imier em 2012.

Os seus numerosos livros e artigos contribuíram para que fosse permanentemente solicitado para fazer conferência, sobretudo em Itália, Grécia, Espanha, Argentina e diversos países latino americanos, tendo sido também um dos fundadores em 1997 da revista anarquista de língua francesa “Réfractions” e um dos seus principais animadores durante duas décadas.

Haverá tempo para detalhar mais em pormenor a  sua inesquecível figura e as suas valiosas colaborações intelectuais que vão além do âmbito meramente anarquista e cobrem também o campo da psicanálise e da filosofia, mas não podemos fechar esta breve resenha de urgência sem sublinhar novamente que quem nos deixou hoje foi um militante anarquista de incomparável inteireza e grandeza, para além de ser uma belíssima e querida pessoa.

Tomás Ibáñez

Barcelona, 13 de Março de 2018

http://rojoynegro.info/articulo/memoria/eduardo-colombo-1929-2018-un-gran-luchador-anarquista-nos-deja

(memória libertária) História do Anarquismo em Timor-Leste


bnp_n61_cx110_ahs3912ms2998-b865

(aqui)

Timor, a colónia mais distante de Portugal, serviu como um lugar de deportação para prisioneiros desde o início do século XVIII. A partir do final do século XIX, os presos políticos também foram enviados para a ilha.

Por Vadim Damier e Kirill Limanov

Entre 1892 – 1896, os anarquistas portugueses realizaram uma série de atentados. Em 1892, colocaram uma bomba no consulado espanhol em Lisboa em protesto contra as prisões de companheiros anarquistas em Jerez (Andaluzia, Espanha). Mais tarde, uma bomba explodiu na casa do Conde de Folgosa, quando este dava uma recepção em homenagem ao casal real. Em 1893, teve lugar um atentado para assassinar o rei e em 26 de janeiro de 1896, um trabalhador esfomeado atingiu com uma pedra a carruagem real (1). Uma bomba foi colocada na casa do ministro, Dr. Joyce.

Em resposta às acções dos anarquistas e de outros sectores, as autoridades aprovaram em 1892 uma lei segundo a qual os acusados desses actos poderiam ser deportados para os territórios portugueses no exterior depois de cumprirem a pena(2). A 13 de fevereiro de 1896, o governo português aprovou uma nova lei que permitia a prisão com posterior deportação para uma colónia penal por um período de até três anos, com a possibilidade de a alargar àqueles que “por declarações e palavras, expressas em público, pela escrita, de qualquer forma, ou com a ajuda de outros meios de publicação, protejam, aprovem, recomendam ou provoquem actos subversivos contra a ordem pública, mesmo que esses actos não tenham efeito, e que ameacem a segurança de pessoas ou da propriedade, bem como professem a doutrina do anarquismo, levando à concretização de tais actos “. Como salienta o advogado português José António Barreiros, qualquer acto de oposição poderia ser colocado na categoria de crime (3).

(mais…)

(anarchist studies network) Envio de ‘abstracts’ para Conferência Internacional sobre Descolonização até 28 de Fevereiro


zwart

Rede de Estudos Anarquistas (Anarchist Studies Network – ASN) // 5ª Conferência Internacional // 12-14 Setembro 2018 // Universidade de Loughborough, Reino Unido

Chamada para papers e painéis.

A luta contra a opressão e a destruição continua sob um céu carregado. A onda global de resistência tem-se feito sentir, à medida que as elites optam pelo nacionalismo, pelo racismo e pela misoginia. Para a maioria mundial, essa opressão não é surpreendente nem nova, devido ao ainda presente legado colonial e às novas formas de exploração neocolonial que têm surgido. Enquanto isto, os discursos hegemónicos mostram uma habilidade desarmante para cooptar e neutralizar: convertendo anti-capitalismo em bem-estar populista, resistência ecológica em consumo verde, e interseccionalidade militante em políticas de identidade liberal. A literatura e a organização anarquistas não estão completamente imunes a esses problemas; propor ideias e práticas que sejam radicalmente não-opressivas requer reflexão crítica sobre pressupostos e verdades, incluindo as nossas próprias. Apesar dos desafios, os anarquistas têm apoiado e criado múltiplos locais de resistência, bem como projetos construtivos, ao mesmo tempo que lideram a luta contra a extrema direita. Confiando que o vento voltará a mudar, a chama permanece acesa.

Nestes tempos de incerteza, a elaboração e a análise anarquistas, que juntam teoria e prática, o rigor académico e as percepções dos movimentos sociais, continuam a ser fundamentais.

A 5ª Conferência Internacional da Rede de Estudos Anarquistas realiza-se na Universidade de Loughborough entre 12 e 14 de setembro de 2018. São bem-vindas propostas para papers individuais, bem como propostas para painéis que juntem 3-4 trabalhos em torno de um tema comum.

Por favor, enviem abstracts até 250 palavras por paper para o endereço:

asn.conference.5@mail.com

Data-limite para abstracts: 28 de Fevereiro 2018

As conferências da ASN visam rasgar novas fronteiras no âmbito dos estudos anarquistas e encorajar o intercâmbio entre disciplinas. Aceitam-se contribuições de dentro e fora da esfera académica oficial, de todas as disciplinas académicas, e sobre qualquer assunto relevante para o estudo e prática do anarquismo como abordagem vital para a transformação social.

O tema central desta conferência é a DESCOLONIZAÇÃO que, esperamos, seja inspiradora de muitas apresentações e painéis. O objetivo é duplo: i. estimular a discussão sobre o colonialismo e o racismo como formas de opressão a que os anarquistas se opõem, mas que continuam a fazer-se sentir também no âmbito das organizações anarquistas; ii. receber pessoas, grupos e comunidades que não tenham participado em eventos anteriores da ASN.

Tendo em conta o legado do pensamento e da ação não-ocidentais e anticoloniais na tradição anarquista, queremos fortalecer os laços entre os anarquistas de hoje e essa teoria e prática em torno da descolonização, no âmbito da luta contra a opressão; pretendemos abrir o evento a grupos marginalizados, reconhecendo a existência de práticas e quadros mentais racistas e eurocêntricos.

Por essa razão, encorajamos particularmente propostas vindas do sul global e de pessoas de cor, bem como de mulheres, pessoas trans e não-binárias e de pessoas com deficiência. Desafiamos também os organizadores de painéis a ultrapassarem eventuais exclusões. Em relação ao tema central da conferência, são bem-vindas apresentações que abordem os seguintes temas:

–  Envolvimento anarquista na teoria da raça e da descolonização

–  Geografias anarquistas da descolonização

– Movimentos anarquistas em África, Ásia, América Latina, Pacífico, etc.

–  Filosofias não-ocidentais, religiões e tradições e as suas ressonâncias anarquistas

–  Anti-nacionalismo e antifascismo

–  A descolonização e as críticas anarquistas

–  A descolonização e as críticas ao Estado

–  Histórias sobre a resistência anarquista contra o colonialismo

–  Interseções entre raça/colonização, idade, classe, género, sexualidade, etc.

–  Anarco-feminismo, anarquismo verde, individualismo não-ocidentais

–   Modos de (anti-)representação não-ocidentais e ocidentais e o movimento entre ambos

Serão também bem-vindas propostas sobre QUALQUER OUTRO TEMA relacionado com o estudo e a prática do anarquismo.

Aceitaremos trabalhos que façam a ponte entre o meio “académico” e outras formas de conhecimento. Receberemos também propostas para a realização de oficinas, eventos de arte/performances e peças experimentais. Estamos ainda abertos a discutir outras ideias que possam surgir.

Acolheremos propostas de papers e painéis noutras línguas (por exemplo, português), mas, por favor, enviem também um abstract em inglês. A tradução será auto-organizada durante a conferência de forma ad hoc e voluntária.

As instalações da Universidade de Loughborough são totalmente acessíveis a cadeiras de rodas e possuem sistema de anel magnético. Contamos ter disponíveis bolsas para apoiar as deslocações dos participantes com baixos rendimentos ou desempregados, especialmente aqueles que são provenientes do sul global, bem como co-organizar o acolhimento de crianças. Apesar de não podermos, no momento, garantir nenhum destes apoios, por favor, façam-nos chegar as vossas necessidades específicas. Daremos o nosso melhor para as satisfazer: asn.conference.5@mail.com

inglês: https://anarchistnews.org/content/anarchist-studies-network-5th-international-conference-loughborough-12-14-sep-2018

Solidariedade internacionalista com o anarquista russo Piotr Riabov, preso e em greve de fome


Petr-Ryabov-800x445

Capturar

Informação relacionada: Ataque policial
https://pramen.io/ru/2017/10/militsiya-atakovala-lektsiyu-petra-ryabova-v-grodno-obnovlyaetsya/
Julgamento
https://pramen.io/ru/2017/10/petra-ryabova-sudyat-v-baranovichah/
Preso pela policia
https://pramen.io/ru/2017/10/petra-ryabova-osudili-na-6-sutok/
Conferências do historiador
https://pramen.io/ru/2017/10/lektsii-petra-ryabova-v-grodno/
página do historiador
http://mpgu.su/staff/ryabov-petr-vladimirovich/

Moção do 75º Congresso da Federação Anarquista (francófona) reunida em Laon e Merlieux nos dias 3, 4 e 5 de Junho


fa

A Federação Anarquista esteve reunida no seu 75º Congresso, nos dias 3, 4 e 5 de Junho de 2017 em Laon e Merlieux (Aisne) para abordar a situação mundial e actualizar o seu projecto anarquista.

O capitalismo globalizado e os seus apoios estatistas e religiosos acentuam as pressões sobre a humanidade e o ambiente de forma a garantirem, através de modos de regulação e de produção cada vez mais brutais, o triunfo da lógica do lucro.

A tese da crise permanente do capitalismo que justifica as políticas de austeridade e de regressão social serve para camuflar a realidade: os ricos são cada vez mais ricos enquanto os pobres são cada vez mais numerosos e sobrevivem na miséria. Nisto, o capitalismo cumpre perfeitamente o seu papel.

A arrogância dos capitalistas encorajada por uma verdadeira colonização dos espíritos põe hoje em causa o pacto saído da segunda guerra mundial que instituiu a protecção social e o sistema de reformas pela repartição e pela redistribuição limitada das riquezas, a fim de afastar o espectro revolucionário e fazer crescer uma nova classe dita média e a sociedade industrial e de consumo massificadas.

O sistema capitalista procura sem cessar novas fontes de lucro incarnadas hoje pelo capitalismo verde, a digitalização e a robotização da economia e mesmo o fim do salariato ao individualizar a relação entre o trabalhador e o patrão pela uberização e pelo empreendedorismo.

O capitalismo pauperiza a classe média, cujo primeira utilidade era neutralizar o perigo revolucionário, o que torna a luta de classes mais clara e mais directa.

Em contrapartida, o aparelho repressivo do Estado e o poder das religiões sobre as consciências reforçam-se para imporem o medo e a resignação. O estado de emergência que era uma excepção tona-se a norma, a presença militar nas ruas, a vigilância generalizada e as restrições às liberdades públicas banalizam-se, a polícia militariza-se e radicaliza-se, torna-se facciosa e multiplica as violências e as provocações.

As eleições presidências passadas e as legislativas que aí vêm demonstram uma progressão das tendências soberanista e populista e, ao mesmo tempo, uma vontade evidente de eliminar a consciência de classe ao querer-se suprimir a clivagem esquerda-direita como sublinharam os dois finalistas da última corrida ao Eliseu. O poder colocou no cargo o candidato que era melhor para defender os interesses do patronato e da finança. A sua missão é um programa de demolição social na mesma linha dos presidentes e governos precedentes em marcha pelo desfazer do Código do Trabalho, uma fiscalidade anti-social, a supressão dos regimes especiais e o pôr em prática um sistema de reforma por pontos…

A Frente Nacional ultrapassa os 10 milhões de votos jogando com o medo do outro e erigindo em defensora de fachada dos ganhos sociais. No entanto, o Capital já não tem necessidade da FN para atingir os seus fins: o MEDEF apelou ao voto em Macron.

O projecto de Mélenchon é um impasse. O modelo do líder carismático, novo salvador supremo, messias dos tempos modernos, incarnação do “povo” desviou a questão social do terreno da luta de classes para o da luta pelos lugares. A impostura dos partidos Syriza e Podemos na Europa ou os regimes de Chavez e Maduro na Venezuela testemunham a sua submissão aos diktats capitalistas: o Poder continua maldito.

Se os anarquistas estão voluntariamente ausentes das urnas e do espectáculo mediático, continuam presentes e activos nas lutas e nas alternativas. O nosso anti-eleitoralismo está em linha com a rejeição crescente da classe política e com o interesse, também crescente, pelos mandatos imperativos, a rotação e a revogabilidade dos mandatos e o federalismo libertário.

O papel dos revolucionários é o de desenharem as perspectivas que permitam credibilizar e encarar a transformação social. Nisso o movimento anarquista não capitulou e resta fiel ao seu projecto revolucionário: o socialismo libertário sem fronteiras.

Para isso, a difusão das nossas ideias e das nossas práticas deve ser o nosso objectivo essencial, aprendendo com as diversas lutas e fazendo o que for necessário para questionarmos e reactualizarmos as nossas propostas e as nossas práticas.

Os tempos mais próximos necessitam a mobilização de todas as forças ligadas à emancipação. A Federação Anarquista reunida no seu 75º Congresso tomará o lugar que é o seu neste combate e apela aos indivíduos e aos grupos que partilham o nosso projecto comum para se lhe juntarem e a reforçarem.

Tradução: Portal Anarquista

aqui: https://www.federation-anarchiste.org/