espaços

(Setúbal) C.O.S.A. em luta informa…


transferir

Pedimos desculpa àquelxs que já se questionaram sobre isso devido à nossa falta de comunicação.

Continuando do ponto que fizemos com o último comunicado, o processo judicial que visa o despejo da c.o.s.a., e ao qual nós decidimos apresentar defesa, teve no dia 28 de Abril uma audiência prévia.

Para surpresa de todxs xs presentes na sala, a juíza entrou já com uma decisão tomada e considerou que depois de ter avaliado o caso justificava-se proferir ordem de despejo nesse momento…

Devido a erros processuais da parte da juíza, o nosso advogado conseguiu cortar-lhe esse impulso, e marcar nova audiência para dia 2 de Junho tendo também em conta que pela primeira vez proprietários e ocupas declararam possibilidade de um acordo.

Acordo este para o qual esperamos uma primeira proposta da parte deles e que gera entre nós bastantes questões e discussões de pontos de vista.

Entre todas as possibilidades discutidas, mantidas em colectivo, e que continuam em aberto, a única que recusamos é a de aceitarmos uma compensação para sairmos rapidamente e sem problemas.

Continuamos a sentir que a c.o.s.a. é nossa.

E a consequência deste sentimento têm sido os últimos meses que se têm revivido na c.o.s.a.

Entre os dias 13 e 17 de Fevereiro organizámos jornadas de trabalho no centro social.

Durante 5 dias, amigas e amigos trabalharam e comeram incansavelmente e conseguiram alcançar mais do que o que tinham projectado, ficando ainda com um sentimento de felicidade visto terem sido também 5 dias de muito bom convívio e diversão.

No dia 30 de Março inaugurámos “O Covil” uma infospot onde se encontra o Suporte Okupa e desde aí temos o centro social aberto todas as 5as feiras, o que tem permitido novas afinidades e relembrar o porquê de algumas antigas.

Continuamos abertxs a propostas e cheixs de ideias para o futuro, que pode ser incerto, mas que tem de ser magnífico!

Saúde e Anarquia!

Casa Okupada de Setúbal Autogestionada

(através de email)

Nova edição da revista “Flauta de Luz” vai ser apresentada em Lisboa e Évora


flauta de luz

DIA 8 DE ABRIL ÀS 18H, NA LIVRARIA TORTUGA (Rua da Penha de França nº 217-A, Lisboa), HAVERÁ DUAS APRESENTAÇÕES: Revista Flauta de Luz nº 4 & Alucinar o Estrume, em que estará presente Júlio Henriques, editor da revista e autor do livro.

Flauta de Luz nº 4

Num novo formato e com mais páginas, o recém-publicado nº 4 desta revista apresenta-se mais diversificado e sob o signo da crítica da cultura. Vários blocos temáticos abordam questões centrais: adaptação do ecologismo ao «capitalismo verde»; reformulações ambientalistas decorrentes desta contradição mortal; diversos aspectos da actual importância política das culturas vernaculares; crise terminal do modo de produção capitalista em algumas das suas expressões materializadas; dimensão tentacular da tecnociência como aprofundamento e interiorização das relações sociais capitalistas.

Uma parte dedicada à história sociopolítica portuguesa aborda o papel da música como tortura durante o fascismo, a grudada presença da mitologia colonial na «identidade lusíada» e o teatro de temática operária. São de sublinhar duas extensas contribuições: a do cineasta britânico Peter Watkins sobre a crise dos média audiovisuais e a do ensaísta sérvio Ljubodrag Simonovic sobre «o desporto como religião do capitalismo». E ainda uma primeira longa abordagem do cinema de José Vieira, e a ausência e presença do surrealismo em Portugal na sua relação com o pensamento libertário. Este número contém também várias participações de arte visual, poesia e ficção.

alucinar o estrume

Alucinar o Estrume

Nas franjas indefinidas de uma sociedade que avança, absurda e doente, para o abismo que superiormente cria e quer, vão surgindo, às apalpadelas, núcleos de gente em busca de sentido. De um sentido central, que clama a partir da entidade viva que é o solo. Entre os que migram da cidade para o campo, em busca de uma utopia à mão de semear, o naturalista Estêvão Vao exprime uma oposição liminar à demência do astronauta, ao paradigma que corporiza a indigente ambição de se viver na Terra fora da terra. (Antígona, 2017)

Rua da Penha de França nº 217-A
*
A apresentação do número 4 da Revista “Flauta de Luz” terá também lugar em Évora, no dia 29 de Abril, na Livraria Fonte de Letras, com a presença do editor, Júlio Henriques.

SESSÃO DO MOVIMENTO ‘SOLUÇÕES PARA A PAZ’ (11-03-2017)


mov soluções para a paz

A sessão, organizada pelos activistas do Movimento «Soluções para a Paz» nas instalações da «Fábrica de Alternativas» de Algés, no Sábado 11 de Março, contou com a presença de um público pouco numeroso, mas interessado.

(mais…)