estudantes

Declaração do Congresso de Fundação da Resistência Estudantil Luta e Liberdade


 

resitência estudantil

(O Coletivo Estudantil Libertário passou por um processo de reestruturação que culminou na Fundação da Resistência Estudantil Luta e Liberdade. Vimos assim, por este meio, pedir a divulgação da nossa declaração)

Várias e vários estudantes do ensino secundário e universitário português deram início em Julho de 2017 ao processo de fundação da organização de tendência Resistência Estudantil Luta e Liberdade.

Com tendência referimo-nos a uma organização que atue no movimento estudantil, fortalecendo-o e não substituindo-o. Acreditamos na necessidade de um movimento estudantil bem organizado e autónomo em relação ao Estado, aos partidos políticos e entidades burocráticas, organizado de baixo para cima, de maneira a que cada luta que travamos reflita as nossas necessidades enquanto estudantes, e não os interesses de um punhado de oportunistas.

Sabemos que o movimento estudantil em Portugal tem sofrido diversas derrotas e retrocessos, com a precarização e consequente mercantilização do ensino público. Identificamos cada vez mais a elitização e exclusão através das propinas e do avanço da privatização da universidade pública com a recente introdução do regime fundacional, com baixa resistência por parte da comunidade escolar. A burocratização bem como o aparelhamento do movimento por partidos políticos demonstraram-se verdadeiras fábricas de derrotas que necessitam de ser superadas para que tenhamos conquistas reais.

O nosso acordo é definido a partir da nossa atuação e perspectiva, e não de uma ideologia específica, como o anarquismo ou o marxismo. Fechamos assim uma fase de organização, o Coletivo Estudantil Libertário de Lisboa, para avançar na missão de construir um movimento estudantil forte, classista, autónomo e combativo.

Convidamos todas e todos os estudantes do movimento estudantil em Portugal interessados nesta nova etapa a juntarem-se a nós na construção de um movimento estudantil realmente das e dos estudantes, que ouse lutar e ouse vencer.

ARRIBA LAS QUE LUCHAN!
LUTAR! CRIAR! PODER POPULAR!
DEFENDER O PÚBLICO, CONSTRUIR O COMUM!

aqui: https://www.facebook.com/RELutaLiberdade/photos/a.966188940072393.1073741828.951731221518165/1656203967737550/?type=3&theater

Anúncios

DA MISÉRIA NO MEIO ESTUDANTIL


alienação

(CONSIDERADA NOS SEUS ASPECTOS ECONÓMICO, POLÍTICO, SEXUAL E ESPECIALMENTE INTELECTUAL E DE ALGUNS MEIOS PARA A PREVENIR) (*)

NOTA DO TRADUTOR

Não é esta a primeira vez que o presente libelo é dado a público em Portugal. Muitos são os receios, porém, de ser esta, entre nós, a sua primeira edição legível.

Conceda-se: em países como Portugal, a critica de algo como a miséria estudantil – daquilo que esta é, e do que implica – encontra, sem dúvida, uma maior dificuldade de explicitação. Mesmo assim, o ridículo prestígio do sr. Doutor – como, satisfeito, se deixa chamar, entre nós, o feliz detentor de um diploma universitário, desta sorte partícipe duma estratificação cultural que já só é burlesca – não chega para ocultar a feroz banalização do mundo: aqui, tal como nas regiões onde tal apelação de casta não existe, a situação real do estudante, e daquilo que este virá a ser profissionalmente, é cada vez menos mistificável. Situação que tende, bem entendido, a desesperar todo o estudante de boa gema, isto é, que ainda se toma a sério, e a sério assume a imagem, grave e sedutora, de um mundo que perdeu, há muito, toda a seriedade e só seduz os reles.

Este seu papel consiste pois em interiorizar, antes de mais para uso próprio, a inevitabilidade, quão grata, de deter, na charlatanice geral, uma valia acima do comum. Porque, comumente, e isto em todas as paragens, a miséria do estudante começa pelo facto de dificilmente ser capaz de a reconhecer. Drama que constitui a sua desvantagem. É muito capaz de identificar a “miséria” dos outros (a dos “operários e camponeses”, ou a dos pobrezinhos) , mas fá-lo para confirmar, assim, que -sobretudo- não se trata de neles se confundir, mas apenas de cuidadosamente deles se demarcar, através daquilo que julga ser um prestigio e que não passa de um lastimável preconceito. É a célebre história dos estudantes ao lado do povo – que é todo um programa.

O estudante modelo não é propriamente um imbecil; o que lhe acontece é sofrer dessa doença a que Marx chamava a inteligência política, aqui oposta à inteligência social: capaz de vastos malabarismos de intelecto no domínio do fragmentário e do pormenor, é com um talentozinho todo ele pragmático, cuidadoso e rasteiro que se aplica a isso de ser estudante – quer dizer, a ignorar, teimosamente, no vasto concerto da servidão moderna, a sua própria submissão.

Júlio Henriques

(mais…)

COMUNICADO CEL-Lisboa: Sobre o Cancelamento do Evento da ‘Nova Portugalidade’ na FCSH-UNL


cel

Dia 7 de março iria ter lugar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa um evento do proto-núcleo ‘Nova Portugalidade’, grupo que exalta o colonialismo e refere-se ao 25 de Abril como “trágico equívoco”, com o convidado Jaime Nogueira Pinto, “académico e politólogo” que não esconde a sua paixão por Salazar. Este combo para um debate sobre “Populismo ou democracia: Brexit, Trump, e Le Pen”, um debate de só uma visão, e a que mais convém a estas personagens.

Infelizmente vivemos em tempos em que a irresponsabilidade e a traição da esquerda eleitoral à classe trabalhadora que supostamente representavam, criaram um mar de curiosidade sobre os discursos da direita populista que atraem aqueles que se vêem mais desprezados e sem prioridade nas agendas políticas. O português comum estranha assim o desconhecido. Um desconhecido que ganhou mais importância na esfera pública que os seus também legítimos dilemas. Mas o português já foi grande, não foi? Quando se enviava jovens para a Guerra Colonial, quando a pobreza e o analfabetismo eram gritantes, quando o direito à greve era proibido e portanto tinham de contar com a boa vontade do patrão… malditos comunas. Ou talvez não tenha sido aí, lá mais atrás, quando havia reis e escravizávamos povos para enriquecer os cofres do Império, só se esquecem que o português comum dessa época também se via bem condenado. Assim se vê o tipo de narrativa lançado pelos organizadores deste evento, e pelos mesmos da sua linha política, que pretendem dar uma impressão falsa do passado como um tempo inteiramente positivo e melhor do que os dias de hoje.

Ao mesmo tempo que pregam falsidades históricas, inventam também falsidades políticas. Logo que a sala do evento lhes foi retirada, exclamaram ser um acto de horrível censura feito pelos malvados esquerdistas da AEFCSH, que odeiam a liberdade de expressão e desejam subjugar todos à sua ideologia… Pura mentira do mais alto nível. No entanto, não há-de ser surpreendente para aqueles que já conhecem estes grupos que eles tenham de recorrer a métodos desonestos para espalhar as suas ideias. Não ocorreu qualquer acto de censura. Apenas lhes foi negada uma sala, e nem sequer foi pela Direcção da AEFCSH, mas sim por uma RGA, que, já agora, para os esquecidos, é uma reunião aberta onde qualquer estudante pode participar. Ou talvez não estejam esquecidos, tendo em conta que o hábito da participação em reuniões de massas não faz parte da tradição destes patriotas; por muito que não gostem da Hillary Clinton, preferem os jantares de elite.

Enfim, os organizadores do evento podem realizá-lo onde melhor desejarem. Apenas não lhes foi concedida uma sala PELAS E PELOS PRÓPRIOS ESTUDANTES DA FACULDADE. Tamanha a hipocrisia destes indivíduos que apelam aos “democratas” para os apoiarem, e ao mesmo tempo são incapazes de respeitar o processo democrático! Desejam agora ir contra a vontade democrática, que se expressou contra eles, e tentar fazer o seu evento contra os desejos do resto das e dos estudantes da faculdade. Assim se vê o respeito que têm pelos seus colegas, e pela democracia em geral.

Ainda para mais, apelam à denúncia do “ambiente de medo e repressão”. Eis o seu pensamento acerca da liberdade de expressão que afirmam defender: quando vai a seu favor, é uma coisa fantástica, mas quando vai contra eles, é um “ambiente de medo e repressão”. Será claro para todos que estes indivíduos não possuem quaisquer princípios. Qualquer fala de “liberdade de expressão” vinda deles não passa de mera ferramenta propagandística. Tomara que eles fossem de facto defensores daquilo que afirmam. Caso assim fosse, não teriam problemas em aceitar que houvesse pessoas contra eles.

Para melhor se vitimizarem, espalham uma suposta ameaça de violência, da qual não há qualquer prova ou confirmação da sua iminência, e que ao contrário do que algumas almas reaccionárias andam para aí a murmurar, nunca se sugeriu em RGA, da qual existe ata e gravação.

No final do seu texto, a ‘Nova Portugalidade’ admite por fim a quem as suas acusações são dirigidas. Não é à Direcção da AEFCSH, mas sim a “parte da massa estudantil da FCSH”, ou seja “a parte que discorda connosco e expressa livremente as suas opiniões contra nós”, confirmando o seu desdém pela vontade democrática das e dos seus colegas, assim como todas as acusações que lhes foram aqui feitas.

Pensamos que houve uma clara falha estratégica no bloqueio deste evento que já tinha reserva de sala, e era previsível que a tentativa de a cancelar fosse apenas atiçar estes renegados que precisam tanto de se fazer de vítimas e deitar umas lágrimas de crocodilo para atrair a comunicação social. Parece até que estava planeado. Resta-nos zelar para que tal não volte a suceder, e sensibilizar aquelas e aqueles que ainda caem nestes choradinhos.

O Núcleo Universitário do Coletivo Estudantil Libertário de Lisboa

aqui: https://www.facebook.com/colestlib/photos/a.966188940072393.1073741828.951731221518165/1458537440837538/?type=3&theater

(ensino) Em Coimbra todas as lutas vão dar ao “Não à Fundação”


luta-anti-fundacao

Como anunciado pelo Conselho de Repúblicas, as Repúblicas de Coimbra estão a organizar uma semana de actividades contra a passagem da Universidade de Coimbra a Fundação. Uma semana repleta de conversas, acções de rua e muito mais, que culmina com uma Concentração Anti-Fundação na próxima segunda-feira, 20 de Fevereiro.

Juntamos ligações para o Comunicado do Conselho de Repúblicas e para fotos de faixas contra a Fundação em mais de uma dezena de Repúblicas.

(mais…)

(Coimbra) Repúblicas divulgam ‘carta aberta’ e marcam ‘semana de luta anti-fundação’


nova
 .
O Conselho das Repúblicas (CR), órgão deliberativo composto pelas 25 Repúblicas de Coimbra, reuniu-se no dia 12 de dezembro de 2016 para discutir o Regime Fundacional. Por compreender que o ensino deve ser um direito e não um privilégio, o Conselho das Repúblicas posiciona-se contra a passagem da Universidade de Coimbra (UC) a Regime Fundacional, vindo, por este meio, manifestar publicamente essa posição, como pode ser lido na Carta Aberta do Conselho das Repúblicas em Anexo.
 .
Como a UC não demonstrou interesse unívoco em fomentar o debate envolvendo toda a comunidade estudantil, de modo a tornar mais democrática a discussão em torno de um assunto que concerne toda a comunidade, o CR, em conjunto com outras entidades, organiza uma Luta Anti-Fundação, que se inicia com eventos de informação, debate e divulgação desta temática, e decorrerá entre o dia 13 (segunda-feira) e o dia 20 (segunda-feira) de Fevereiro, culminando numa Concentração no dia 20, pelas 14 horas, em frente à Porta Férrea.
 .
O CR decide, assim, difundir a sua posição, apelando a toda a comunidade a juntar-se a este movimento de resistência ao processo de privatização da Universidade de Coimbra, por acreditarmos que a partilha de conhecimento e ideias não deve servir de mercadoria e muito menos como meio de elitização.
123