(Cova da Piedade) Morreu Manuel Vieira


DSC09697

Recebemos a informação que morreu o companheiro Manuel Vieira, residente na Cova da Piedade e colaborador do jornal “A Batalha”. Manuel Vieira faleceu a 14 de Agosto, tendo o funeral sido realizado no dia seguinte para o cemitério do Feijó.

Manuel Vieira esteve também ligado à alteração da designação de algumas ruas de Almada, fazendo com que nelas figurasse a presença libertária.

As nossas condolências à família, aos amigos e à redacção do jornal “A Batalha”. Que a terra te seja leve, companheiro!

https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2015/01/28/rua-francisco-ferrer-na-cova-da-piedade/

http://mosca-servidor.xdi.uevora.pt/projecto/index.php?option=com_jumi&fileid=12&id=1598

Mais uma edição do jornal alternativo ‘MAPA’ já nas ruas


mapa

#AltPt | Está aí o Jornal Mapa nº17 (Julho/Setembro).

Um especial sobre a mineração que prepara-se para avançar sobre o fundo dos oceanos – com Açores em vista – apesar do desconhecimento assumido das consequências e impactos. Voltamos a falar de como gestão de fronteiras da UE passa por financiar regimes ditatoriais para manter as praias europeias relativamente limpas de cadáveres. Saboreamos plantas selvagens, para falar de comunidade e não de “gourmets”.

Aprendemos com a resistência indígena, a sua ecologia, terra e saberes. E a resistência dos okupas de Santiago de Compostela e de Setúbal.

Lançamos opinião sobre temas diversos: do rendimento básico universal (ou a prestação da barbárie); da Venezuela; da ajudada do Andanças; das eleições francesas e os seus milhões de abstencionistas ou sobre as florestas zombies da celulose. Recordamos as histórias do transhumanismo e não queremos que se esqueçam da Es.Col.A e do Bairro da Fontinha no Porto; mas também da Palestina; das edições Antipáticas; do Zeca (concluído um Panegírico a José Afonso) ou de Carlos da Fonseca. 

Tem todo o resto do verão para estas leituras! Para que possamos continuar faz a tua assinatura e procura os locais de venda em http://www.jornalmapa.pt/. Contacta-nos em geral@jornalmapa.pt ou por aí…

(Faro) Almoço de homenagem à memória de Júlio Carrapato reuniu mais de duas dezenas de familiares e amigos


 

Um almoço evocativo da memória do anarquista Júlio Carrapato teve lugar esta quarta-feira, 19 de Julho, em Faro, no dia em que faria 70 anos, reunindo mais de duas dezenas de familiares, amigos e companheiros de ideal.

Júlio Carrapato, editor, tradutor, professor universitário e uma das referências do anarquismo em Portugal, morreu há um ano, deixando uma profunda saudade entre familiares e amigos.

Este almoço de homenagem ao Júlio foi organizado pela sua companheira e pelo filho de ambos, Daniel Carrapato, que lançou o repto para que todos os presentes escrevessem um pequeno (ou grande) texto sobre um episódio, uma conversa, um debate, um encontro relacionado com Júlio Carrapato, de forma a que daqui a um ano, num almoço deste género, se pudesse organizar um pequeno volume com essas prosas.

Este encontro serviu também para que alguns companheiros, que não se viam há muito, vindos de Lisboa, Almada ou Évora se pudessem reencontrar e partilhar memórias e realidades diversas num ambiente de salutar companheirismo.

Foi bonita a festa, pá!

 

Robert Grodt: mais um anarquista vítima do estado Islâmico em Raqqa


robert-grodt-ypg-isis

O anarquista californiano e antigo activista do Occupy Wall Street, Robert Grodt, 28 anos, é mais uma vítima da guerra em Rojava.

Combatente internacionalista junto das milícias curdas, tinha como nome de guerra Demhat Goldman.

Morreu a 6 de Julho, em Raqqa, depois de ter regressado de uma operação com um grupo de companheiros e quando estavam já perto do local de acampamento um deles pisou uma mina terrestre a que se seguiu fogo inimigo. No total morreram quatro combatentes e vários ficaram feridos.

A solidariedade internacionalista libertária com Rojava tem sido uma constante desde o início da revolução no norte da Síria.

Aqui: http://alasbarricadas.org/noticias/node/38711

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2017/07/11/curdistao-anarquista-estadunidense-morre-lutando-contra-o-estado-islamico/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2017/07/17/curdistao-agora-demhat-tambem-se-converteu-em-uma-luz-de-vela/

https://www.theguardian.com/uk-news/2017/jul/11/british-man-luke-rutter-killed-fighting-isis-in-syria

https://anfenglish.com/features/now-demhat-has-also-become-a-candle-light-20942

(Lisboa) Feira Anarquista do Livro este ano nos dias 6, 7 e 8 de Outubro


img_3339

Talvez seja por teimosia, ou talvez seja por ingenuidade, mas sabendo
que algumas tradições valem a pena ser preservadas, este ano voltamos a
organizar a Feira Anarquista do Livro de Lisboa. Contando com a
instabilidade climática, mas também com o aquecimento global e os gases
de efeito estufa, este ano a feira realizar-se-á nos dias 6, 7 e 8 de
Outubro, novamente ao ar livre e tal como no ano passado, por questões
de facilidade logística, entre a Disgraça e a praceta António Sardinha.
Dirigimos este email a pessoas e colectivos que partilham o interesse no
evento para convidar-vos a participar com propostas de actividades a
realizar na feira. No próximo domingo, dia 16 de Julho às 17h, no 217 da
rua da Penha de França, organizaremos uma reunião para debater estas
propostas e gostaríamos de contar convosco. Por outro lado também podem
enviar as propostas por email, o objectivo é ter o programa (mais ou
menos) fechado no início de agosto.
Grande abraço cheio de saúde, amor e anarquia!

feiranarquistadolivro@mail.riseup.net
https://www.facebook.com/feiranarquistadolivro/

(efeméride) 80 anos do atentado anarquista contra Salazar


Capturar

A 4 de Julho de 2017,  assinalaram-se os 80 anos do atentado anarquista contra o ditador Oliveira Salazar. Emídio Santana, um dos seus autores, nesta entrevista à RTP em 1975, fala deste atentado que podia ter mudado o curso da história de Portugal durante o século XX. Emídio Santana e os anarquistas foram também os autores dos actos de solidariedade com os revolucionários espanhóis, em plena guerra de Espanha, a 20 de Janeiro de 1937, contra vários ministérios, empresas e o radio clube português que não poupavam esforços no seu apoio aos fascistas espanhóis.

ver aqui – https://arquivos.rtp.pt/conteudos/sem-coragem-nao-se-faz-a-historia-emidio-santana/#sthash.CGXlj9Tz.c3qnb9vz.dpbs

Nos inícios de 1937 as atenções da polícia política portuguesa estavam centradas na guerra civil de Espanha. É nessa altura que um pequeno grupo de resistentes planeia o pior golpe que Salazar sofreu durante os anos da ditadura.
Um atentado, protagonizado sobretudo por anarquistas (a que se haviam associado elementos republicanos e comunistas), à figura de Salazar que, quase por milagre escapou ileso, poderia ter poupado Portugal de 48 anos de ditadura fascista. Durante meses este grupo revolucionário – que já antes tinha colocado bombas nos ministérios e no Rádio Clube Português, em solidariedade com a revolução espanhola e contra o apoio que o governo e o RCP davam aos falangistas de Franco – estudou a melhor hipótese de atentar contra a vida de Salazar – o homem forte do regime fascista. Dadas as características do regime, personalizado em Salazar, a sua morte teria alterado significativamente o curso da história.
O PCP sempre se demarcou desde episódio. Houve militantes republicanos e comunistas que participaram a título individual.
A grande referência histórica para este atentado é Emídio Santana, que esteve preso durante 16 anos. Anarco-sindicalista, militante da CGT, um dos impulsionadores do movimento libertário no pós 25 de Abril e director de “A Batalha” após 1974, publicou um livro – “História de um atentado: o atentado a Salazar” – que é ainda uma das grandes fontes de informação sobre a preparação e execução deste atentado.

Episódio inserido no programa A Pide Antes da Pide.
Jornalista Jacinto Godinho
Eduardo Ricou; Frederico Wiborg (RTP) 2007
.
.
.