Mês: Outubro 2019

Solidariedade com Rojava: invasão turca representa “um potencial genocídio e limpeza étnica das populações locais”


photo_2019-10-12_21-22-13

(Lisboa) Quarta-feira, dia 16 de outubro, às 17 horas – Concentração junto à Assembleia da República. 

(Lisboa) Sábado, dia 19 de outubro, às 15 horas – Manifestação entre o Príncipe Real e o Rossio.

Caros e Caras,

Durante a última semana assistimos a uma enorme ofensiva do exército turco no Nordeste da Síria. A operação “Nascente de Paz”, movida pelo segundo maior exército da NATO, com o apoio de milícias jihadistas, já provocou centenas de mortos e dezenas de milhares de deslocados.

Foi nesta mesma região que, há cinco anos, o mundo presenciou uma resistência sem precedentes contra as atrocidades do Daesh (o auto-proclamado Estado Islâmico). Foi também nesta região que assistimos a um projeto democrático revolucionário, pautado pela igualdade de género e pela tolerância étnica e religiosa, onde milhares de refugiados, no meio de uma das mais terríveis guerras, encontraram um porto seguro. É nesta região que milhões de Curdos, Árabes, Assírios, Yazidis, entre outros, coexistem pacificamente, construindo um projeto único de paz e democracia: em Rojava, também conhecida como Curdistão Sírio e como Federação Democrática do Norte da Síria.

A operação “Nascente de Paz”, sob pretexto de criar um corredor fronteiriço (em território sírio), representa um potencial genocídio e limpeza étnica das populações locais e levou já ao ressurgimento de células do Daesh em regiões previamente libertadas. Não podemos assistir impávidos a estes crimes contra a Humanidade. É necessária uma tomada de posição forte por parte de todos.

Por isso, na próxima quarta-feira (16 de Outubro às 17 horas: (www.facebook.com/events/536603667098892/) estaremos em frente à Assembleia da República, no dia de tomada de posse dos novos deputados eleitos, para exigir que enquanto representantes políticos se posicionem contra a invasão turca. Exigimos também um boicote total à Turquia. Não podemos ser cúmplices de um estado que assume uma agenda fascista! Não vamos abandonar Rojava!

No seguimento da chamada internacional de solidariedade com Rojava para acções a nível global, no próximo sábado (19 de Outubro às 15 horas: (https://www.facebook.com/events/1398798680285054/) voltamos à rua, numa manifestação que irá percorrer as ruas do Príncipe Real ao Rossio (Lisboa).

Urgimos a todos com sentido de responsabilidade social que se insurjam contra esta invasão e que façam a sua parte: organizem-se, consciencializem, divulguem, protestem! Juntem-se a nós!

Seguiremos em solidariedade com a resistência no Nordeste da Síria, até que todas as formas de fascismo se extingam!

Plataforma de Solidariedade com os Povos do Curdistão

Mais informações em: www.facebook.com/SolidariedadeCurdistao

Contactos para: solidariedadepovoscurdistao@riseup.net

#RiseUp4Rojava #WomenDefendRojava #BoycottTurkey

Se votar mudasse alguma coisa, seria proibido. Abstém-te!


galo

O circo eleitoral está de volta. Ainda não nos livrámos da hipocrisia impressa nos cartazes das eleições europeias e já nos vemos obrigados a suportar novas arruadas, programas eleitorais e carinhas sorridentes de falsos profetas de esquerda, de direita, de centro, de cima, de baixo;. Dizem-se socialistas, comunistas, liberais, ecologistas, animalistas, pensionistas, étecetera.

No dia 6 de outubro a canalha partidária volta a pedir os nossos votos para mais uma vez legitimar o roubo das nossas vidas. Como se servisse realmente para melhorar alguma coisa, o sistema democrático quer fazer-nos acreditar que o voto é uma “oportunidade”, uma forma activa de participar nas decisões que regem o nosso quotidiano, uma maneira de expressar o nosso consentimento e/ou dissentimento em decisões que nos concernem.

A realidade, no entanto, é bem diferente, o sistema democrático permite-nos simplesmente escolher quem nos vai “representar” na tomada de decisões, com uma carta branca para beneficiarem dessa enorme chucha onde todos os políticos mamam: a democracia parlamentar.

E é desta forma, pelo bem da cidadania, pelo bem do país, na defesa da tão “ameaçada” democracia e do “milagre económico português” que vemos os impostos e a exploração laboral a aumentar, os ordenados cada vez mais baixos, as rendas cada vez mais altas, a repressão e o racismo sempre presentes, as prisões a abarrotar, a agricultura intensiva a envenenar populações e a confiança cega num progresso que sempre beneficia uma minoria sedenta de lucro; e após cada ida às urnas o que se reduz drasticamente é a possibilidade de nos opormos a tudo isto.

«Em democracia, existe uma oposição para representar a opinião contrária», dizem eles; mas não são o governo e a oposição as duas caras da mesma moeda? O sistema democrático é um truque de magia bem encenado para nos iludir e fazer crer que a nossa escolha pode fazer a mudança, uma canção de embalar para que durmamos tranquilos.

No entanto, enquanto dormimos, o senhorio vem bater à nossa porta para nos despejar, o patrão telefona-nos para nos despedir, as finanças enviam um email para cobrar mais um imposto, a polícia ajuda estes todos e o político promete-nos que as coisas vão mudar.

«Em breve. Cedo. Talvez. Quando? Vote em mim e depois logo se vê…». É o circo eleitoral! Os palhaços do costume, alguns palhaços novos e a mesma arena cheia de merda onde chafurdam arrivistas, chupistas e lobbistas.

A abstenção é a única resposta digna, uma abstenção activa que mostre que não precisamos de nenhum governo, a organização das nossas vidas é feita em cada casa, em cada rua, em cada bairro, em cada bocado de terra cultivado, promovendo aquilo que sempre soubemos fazer em pequena escala: a entre-ajuda, as decisões tomadas cara a cara, os conflitos solucionados sem personagens fardados pelo meio (padres, juízes, militares ou polícias), uma vida livre de mediadores profissionais que servem sempre os mesmos interesses (pessoais, do partido, do capital étecetera), uma vida livre de políticos!

Contra todos os governos, recuperemos as nossas vidas!

aqui: https://www.facebook.com/disgracadiycenter/posts/2082773715364435

(Lisboa) Centenário do jornal A Batalha. Inauguração 9 de outubro, 17 horas, na Biblioteca Nacional.


71497634_2030371197063156_2271217717312749568_n

Centenário do jornal A Batalha

EXPOSIÇÃO | 9 out. ’19 | 17h00 | Mezanine | Entrada livre / até 27 dez. ’19
LANÇAMENTO do livro “Surgindo vem ao longe a Nova Aurora…” | 9 out. ’19 | 18h00 | Auditório | Entrada livre

Exposição comemorativa dos cem anos da fundação de A Batalha (1919-1927), com curadoria de António Baião (CEPS), António Cândido Franco (UE) e João Freire (ISCTE-IUL).

No dia da inauguração António Ventura apresenta a reedição do livro de Jacinto Baptista “Surgindo vem ao longe a nova Aurora…”, da editora Letra Livre.
Aos 23 de fevereiro de 1919 aparecia em Lisboa este diário, «Porta-voz da organização operária portuguesa», tendo como redator principal o tipógrafo Alexandre Vieira. Chegou a ser considerado como a terceira maior tiragem nacional. Ilegalizado em 1927, teve várias fases de clandestinidade e ressurgiu em 1974, sob a direção de Emídio Santana. Mas foi sobretudo uma obra coletiva de vontades livres.

O jornal e a Confederação Geral do Trabalho (CGT) foram duas das melhores expressões da ideologia operária sindicalista-revolucionária, muito ativa no início do século XX.

Ocorre também este ano a efeméride dos 45 anos de criação da revista A Ideia, recordando-se aqui igualmente a sua trajetória, desde Paris, em abril de 1974, até ao atual n.º 84/85/86 como «revista de cultura libertária».

Próximos eventos no âmbito dos cem anos da fundação de A Batalha:

Quatro itinerários anarquistas: Botelho, Quintal, Santana e Aquino
LANÇAMENTO | 12 nov. ´19 | 18h00 | Auditório | Entrada livre
Lançamento da obra de João Freire, numa edição A Batalha, apresentada por José Pacheco Pereira.

A Batalha: 100 anos
COLÓQUIO | 10 dez. ’19 | 15h00 | Auditório | Entrada livre
Colóquio organizado pelo jornal A Batalha, pelo IHC – Instituto de História Contemporânea, pólo de Évora, e pelo CEPS – Centro de Ética, Política e Sociedade, da Universidade do Minho.

aqui:http://www.bnportugal.gov.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1492%3Aexposicao-centenario-do-jornal-a-batalha-9-out-27-dez-19&ca