informação alternativa

Mais uma edição do jornal alternativo ‘MAPA’ já nas ruas


mapa

#AltPt | Está aí o Jornal Mapa nº17 (Julho/Setembro).

Um especial sobre a mineração que prepara-se para avançar sobre o fundo dos oceanos – com Açores em vista – apesar do desconhecimento assumido das consequências e impactos. Voltamos a falar de como gestão de fronteiras da UE passa por financiar regimes ditatoriais para manter as praias europeias relativamente limpas de cadáveres. Saboreamos plantas selvagens, para falar de comunidade e não de “gourmets”.

Aprendemos com a resistência indígena, a sua ecologia, terra e saberes. E a resistência dos okupas de Santiago de Compostela e de Setúbal.

Lançamos opinião sobre temas diversos: do rendimento básico universal (ou a prestação da barbárie); da Venezuela; da ajudada do Andanças; das eleições francesas e os seus milhões de abstencionistas ou sobre as florestas zombies da celulose. Recordamos as histórias do transhumanismo e não queremos que se esqueçam da Es.Col.A e do Bairro da Fontinha no Porto; mas também da Palestina; das edições Antipáticas; do Zeca (concluído um Panegírico a José Afonso) ou de Carlos da Fonseca. 

Tem todo o resto do verão para estas leituras! Para que possamos continuar faz a tua assinatura e procura os locais de venda em http://www.jornalmapa.pt/. Contacta-nos em geral@jornalmapa.pt ou por aí…

Anúncios

(Universidade de Coimbra) Repúblicas contra Fundação


 

nova1

Fachada da República Ninho Dos Matulões

nova

Fachada dos Paços da República dos INKAS

foto-b-real-republica-corsarios-das-ilhas

Fachada da Real República Corsários das Ilhas

foto-c-republica-dos-kagados

Fachada da República Dos Kágados

foto-d-republica-do-kuarenta

Fachada da República do Kuarenta

foto-e-real-republica-do-bota-abaixo

Fachada da Real República Do Bota-Abaixo

foto-g-solar-do-44

Fachada do Solar do 44

foto-i-real-republica-rapo-taxo

Fachada da Real República Rápo-Táxo

foto-j-farol-das-ilhas

Fachada do Farol Das Ilhas

foto-l-real-republica-baco-e-da-republica-das-marias

Fachada da Real República Baco e da República Das Marias

#AltPt Repúblicas de #Coimbra contra o Regime Fundacional

A abertura da discussão da passagem da Universidade de Coimbra a Fundação deu-se no final de Outubro. Desde aí, vários sectores da UC vêm-se manifestando contra este plano organizando algumas conversas e assembleias e espalhando cartazes e faixas.

Também algumas das 25 Repúblicas da cidade têm vindo a posicionar-se publicamente contra a Fundação. Nas últimas semanas, cada vez mais Repúblicas têm colocado nas suas fachadas faixas críticas à passagem da UC a Fundação – e neste momento já são pelo menos 11, como podem ver nas fotos.

Para mais informações sobre as Fundações no Ensino Superior, recomendamos o artigo que publicámos a propósito da abertura da discussão na UC: «As Universidades e o regime fundacional | O Que são, quais os interesses, quem lucra?» em bit.ly/2e2sBEL

via guilhotina.info

4º Congresso dos Jornalistas Portugueses: algumas considerações


Algumas considerações sobre o 4º Congresso dos Jornalistas Portugueses porque estou muito irritado com as coisas que tenho lido pela internet.

1- Ao número de pessoas que vi a reclamar acerca do mesmo, parecia-me um número suficiente para criar um congresso alternativo onde se discutissem os problemas de verdade, no jornalismo em Portugal e não só.

2- Não percebo porque estão a reclamar se desde o 1º momento, já que o acesso é condicionado logo à partida. Quem não tem 40€ para assistir/participar é considerada/o irrelevante. Também diz muito do tipo de pessoas que se quer nesse congresso. Eu não sou jornalista, mas se fosse, seria um precário e com certeza não ia desperdiçar 40€ para ouvir as grandes corporações a encherem-se de elogios e dizer disparates. Sintoma disse mesmo é a crónica do Público de hoje, onde categoricamente um pseudo-director diz que não existe crise no jornalismo e isso são tudo tretas.

3- Olhando para a lista de financiadores, provavelmente acho que me dá vontade de chorar de riso com esta tragicomédia a que se dá o nome de “Congresso de Jornalismo” para de, uma forma muito categórica, assimilar toda a categoria profissional/projectos de informação, quando na realidade a maioria das pessoas que lá estavam faz parte de uma elite mesquinha que anda a desinformar o país desde 1974! ( E aos amigos e amigas que vierem reclamar porque foram, eu sei que existem excepções).

4- Quando se quer debater os problemas inerentes à profissão de jornalista, e tudo o que daí advém, convém começarmos por fazer uma reflexão individual acerca do nosso papel ,em que continuamos a alimentar o mesmo tipo de publicações, o mesmo tipo de corporações e o mesmo tipo de noticias enviesadas desde o 1º momento.

5- De um breve relance que dei pelos painéis propostos e temas em debate, tal como as pessoas convidadas a falar, tudo boa gente! Figuras políticas, empresariais e outras que têm ligações muito duvidosas, parece-me a mim, que não percebo muito da coisa, que o debate está condicionado à partida.

6- Identificar categoricamente o que é jornalismo, como que  restringindo as categorias à media tradicional, é outra coisa que me parece muito raro, mas isto sou que sou desconfiado.

7- Espero que tod@s os presentes desfrutem do ultimo dia e que, pelo menos, quem se aproveita faça uma rede e, aí sim, organize um congresso onde se possam debater os problemas de verdade e não contos de fadas promovidos pelas grandes empresas. Eu que, não sendo jornalista, mas com muito interesse no tema, estarei presente.

Um abraço e divirtam-se!

Bruno Garrido (aqui)

*

capturar

IV Congresso dos Jornalistas

1) Que outra coisa pode ser este Congresso dos Jornalistas senão, quase só, a manifestação do “quarto” do poder e dos grandes interesses, quando a sua lista de apoios e parcerias é aquela que o Congresso a decorrer no São Jorge apresenta?

Quando tem painéis com os grandes empresários da CS e com os directores dos OCS – patrões e chefias?

Quando o Congresso é inaugurado pelo PR e a promiscuidade com os políticos continua a ser o pão nosso de cada dia de grande parte da classe jornalística?

2) Tudo isto – aliado à precariedade, aos baixos salários, ao controlo da CS – faz com que o jornalismo seja cada vez menos o “quarto poder” e cada vez mais o “quarto” do poder e dos interesses instalados (empresariais, económicos, políticos, de lobby…).

3) Por isso, também, cada vez é mais importante a comunicação crítica e alternativa que urge construir, à margem dos grandes interesses económicos e políticos.

aqui: https://www.facebook.com/PORTAL.ANARQUISTA/photos/a.296793177087642.53912.296105283823098/944414355658851/?type=3&theater

rede-anrquista

Estado Espanhol: mais de 20 meios de comunicação social alternativos e críticos conjugam esforços para dar um “salto de escala”


 

diagonal

Mais de uma vintena de meios de comunicação social alternativos e críticos do Estado Espanhol estiveram reunidos no passado fim de semana em Madrid a fim de elaborarem uma estratégia que corresponda a um “Salto” em frente no media alternativos e que tem como base “a criação de uma cooperativa, de âmbito estatal, de meios de comunicação e o lançamento de um novo órgão de comunicação social de qualidade, incisivo, com novos formatos e feito a partir das premissas da economia social”, refere uma notícia publicada ontem no Periodico Diagonal (versão online), que esteve na origem desta iniciativa.

O objectivo do Encontro: “reconhecermo-nos numa forma similar de fazer comunicação e assentar as bases de um novo colectivo editor que torne possível um salto de escala”

Na reunião de Madrid estiveram presentes representantes de Diagonal, Pikara Magazine, El Salmón Contracorriente, Arainfo (Aragón), Directa (Catalunya), Praza Pública (Galiza), Último Cero (Valladolid), El Salto Andalucía, Galiza Ano Cero, Wiriko, Nodo50, SiberiaTV, La Marea, Pamplonauta (Nafarroa), La Entrevista del Mes, revista Ecologista, revista Pueblos, Viento Sur, Colectivo Burbuja, Ágora Alcorcón, Revista Bostezo, medios locales como Voces de Pradillo (Móstoles), Periódico de Hortaleza, El Desperttador, Periódico 15M, assim como diferentes rádios livres comunitarias.

Para estes activistas, o “Salto” que é preciso dar é mais do que uma simples rede de meios de comunicação alternativos. “É uma aposta para se alcançar uma escala maior graça a um olhar construído colectivamente” recordou Fernán Chalmeta, do colectivo editor de Diagonal, citado por este periódico na sua página na web.

“Com distintos meios de integração, desde a coordenação de coberturas jornalísticas e trabalhos de investigação conjuntos, passando por partilhar uma plataforma digital e uma publicação mensal em papel com edições locais, o encontro abordou as várias possibilidades em aberto a cooperação entre meios afins, evitar duplicidades e potenciar uma comunicação diferente em tempo de crise. Discutiram-se os passos e detalhes para a criação de uma federação de meios de comunicação, em forma cooperativa, que reordene o panorama mediático no Estado espanhol e no sul da Europa”, refere ainda a notícia.

Para Chorche Tricas, de Arainfo, frente a um cenário de concorrência “é necessário participar, cooperar, desenvolver este ecossistema que criamos com o Salto para crescermos desde a diversidade, o que é uma riqueza em si mesma. Entendemos o jornalismo como uma ferramenta à disposição do tecido social e dos debates e ideias que aqui surgem, como mais uma ferramenta que possibilita essas mudanças”.

“Desde Ultimo Cero, um meio de Valladolid que contribuiu como poucos para desmascarar as teias de corrupção do PP na região, definiram o encontro como “histórico”, um ponto de inflexão na criação de um “novo sujeito”, um novo colectivo que enfrente um desafio tão complicado como necessário: dar a volta à comunicação no Estado espanhol”, refere ainda o Periodico Diagonal.

(França) Reportagem da ‘guilhotina.info’ sobre a manifestação do fim de semana passado na ZAD de Notre-Dame-des-Landes


#França: Forte mobilização em resposta às ameaças de expulsão da #ZAD de NDDL [Relato e Fotos de Guilhotina.info]

Várias dezenas de milhares de pessoas rumaram no sábado a Notre Dame Des Landes em resposta às ameaças do estado francês de começar em breve as operações de expulsão da ZAD (Zona A Defender).

O fim-de-semana de resistência [bit.ly/2d15yd9] começou sábado pela manhã com marchas a sair de três pontos em redor da ZAD nas quais participaram, segundo a organização, cerca de 40 000 pessoas. À insistência do estado francês em avançar com este projecto inútil de um novo aeroporto em Nantes para servir o oeste de França, que conta já com um número excessivo de aeroportos, pessoas de toda a França e de muitas outras partes respondem com solidariedade e determinação.

Um dos mais importantes elementos deste movimento de solidariedade são os comités locais de apoio à ZAD, que existem já em dezenas de cidades francesas. Para além de ajudarem nas mobilizações, estes comités estão prontos para agir, no imediato, em resposta às operações de expulsão – manifestações em várias cidades estão agendadas para o próprio dia em que estas comecem. Foram também comités locais e outros grupos solidários que montaram as cantinas comunitárias que, no final das marchas, serviram (a preço livre) a multidão reunida nos campos próximos à quinta de Bellevue, um dos lugares mais emblemáticos da ZAD, onde agricultores locais e zadistas resistiram bravamente às expulsões de 2012. Várias bancas de comités anti-repressivos (que dão apoio a quem sofre de problemas legais) e pontos com informações sobre várias lutas e temáticas foram também montadas no local.

O lema desta mobilização foi “Que ressoem os cantos dos nossos bastões!” (“Que résonnent le chant de nos batons!”), tendo sido apelado aos manifestantes para trazerem consigo “bastões”. Com esses bastões, num gesto simbólico, foi construído um muro à volta de um desses campos. Durante o resto da tarde realizaram-se várias actividades, festas tradicionais bretãs e concertos com grupos de vários géneros. As actividades continuaram durante todo o dia de domingo, com oficinas de construção, discussões e muito mais!

Para quem esteve presente na ZAD este fim-de-semana, uma coisa ficou clara – os e as habitantes da ZAD, e as dezenas de milhares que as apoiam, estão determinados e vão bater-se até ao fim por aquilo que lá construíram nos últimos 9 anos. E não há lei, decisão judicial nem referendo-decidido-à-partida [bit.ly/2d7FKXC] que valha ao estado francês no momento de enfrentar estas gentes. Em Notre Dame des Landes, não há espaço para o aeroporto, e muito menos para o seu mundo!

Para informações actualizadas sobre o movimento, seguir as páginas ZAD Partout, Non à l’aéroport à Notre Dame des Landes e ACIPA.

aqui (também versão em inglês e mais fotos):  https://www.facebook.com/guilhotina.info/photos/?tab=album&album_id=1059649744151501

rede-anrquista

(Colômbia) Sai o número 30 de”El Aguijón”


capturar

Por todo o mundo reaparecem ou nascem jornais, revistas, fanzines de teor libertário, mostrando a fase de crescimento e de implantação do movimento anarquista à escala global, embora assente em projectos estruturados localmente e, regra geral, de pequena dimensão.

“El Aguijón” é uma publicação de jovens anarquistas da Colômbia que tem feito o seu caminho desde 2009. Merece uma espreitadela.

Para ler e download o “el aguijón” 30 (versão web)  : https://issuu.com/elaguijon-klavandoladuda/docs/no._30_para_web

Portal Anarquista:”A desilusão com o actual sistema político vai trazer mais gente para o campo libertário”


portal

Terminamos hoje a publicação das respostas solicitadas junto dos órgãos que integram a Rede de Informação Alternativa. Há um ano atrás quatro projectos e canais informativos, na web e em papel, juntaram-se e criaram uma rede de partilha e troca de informações. Guilhotina.info, jornal Mapapt.indymedia e Portal Anarquista formam esta rede que, apesar de todas as dificuldades, pretende romper o gueto informativo em que a comunicação e a informação anti-autoritárias, de base assemblearia, sempre tem vivido em Portugal. Como base para um artigo a ser publicado na próxima edição do jornal “A Batalha” sobre a Rede de Informação Alternativa pedimos a cada um destes projectos a resposta a um pequeno questionário. Depois do jornal MAPA, da Guilhotina.info e do pt.Indymedia, publicam-se agora as respostas do Portal Anarquista.

*

Quando, como e porquê surgiu o Portal Anarquista?

O Portal Anarquista, com visibilidade na web (blog com perto de 700 mil visitas, e página no facebook com mais de 6 mil gostos), apareceu durante o ano de 2013, depois da extinção do Colectivo Libertário de Évora, constituído um ano antes. Aproveitando a experiência jornalística de alguns dos seus elementos, o Portal Anarquista assume-se como um espaço informativo e de memória libertária, pretendendo constituir-se como um elo de ligação entre os vários núcleos libertários actuando em Portugal e no Brasil, ao mesmo tempo que procura recuperar a história e a memória do movimento libertário nos países que usam o português como língua oficial.

De facto, notámos que apenas uma parte muito pequena de materiais anarquistas, referentes ao movimento em Portugal, estava na web e decidimos intervir nesse sentido, publicando e disponibilizando todos os materiais, a que fomos tendo acesso, na internet. Ao mesmo tempo procuramos traduzir para português os posicionamentos das diversas estruturas internacionais ligadas ao movimento libertário, bem como os artigos e as publicações dos mais diversos autores – conhecidos ou não – de cariz anti-autoritário.

O Portal Anarquista dá também destaque à agenda libertária e anti-autoritária, servindo igualmente de veículo informativo em cima dos acontecimentos, sempre que necessário (nomeadamente através do facebook e do twitter).

Como vêem hoje a informação alternativa em Portugal?

A informação alternativa ainda tem características muito residuais em Portugal, ao contrário do que acontece no Estado Espanhol, França ou Itália. No entanto, a difusão da internet e das várias redes sociais tem possibilitado a criação de espaços informativos sobre os movimentos sociais, com informação actualizada e em primeira mão, permitindo uma alternativa aos órgãos de comunicação do sistema. É preciso, agora, consolidar esses projectos, dar-lhes maior visibilidade e pô-los em rede, articulando-os, de forma a que se crie um real espaço informativo alternativo, ao serviço dos movimentos sociais de base, autogestionários e horizontais – os únicos que têm possibilidade de transformar a sociedade.

O espaço alternativo e assembleário constituiu-se em Portugal (e Espanha) nos últimos anos em torno dos movimentos de rua e de ocupação de espaços públicos. Houve manifestações aguerridas, que hoje parece não ter condições para se repetirem. Como vêm actualmente este movimento assembleário, de junção de lutas, e alternativo ao sistema representativo vigente?

A luta social em Portugal tem conhecido uma pausa relativa nos últimos tempos sobretudo devido à constituição da maioria Costa, Catarina & Jerónimo. A tutela dos sindicatos e de alguns movimentos sociais pela esquerda tradicional tem ainda muito peso, pelo que a participação do PCP e do BE no apoio ao governo do PS tem retirado algum ímpeto à contestação social. No entanto, a constatação que vai sendo feita pelos trabalhadores mais conscientes de que esta solução governativa representa mais do mesmo e que não constitui qualquer alternativa para a construção de uma sociedade diferente, sem exploração nem opressão, torna-se cada vez mais evidente. Também o agravamento da situação económica e financeira do país e as repetidas notícias da corrupção e do nepotismo que tem envolvido grande parte da classe política e empresarial (uma e outra são a mesma coisa) têm permitido uma maior consciencialização por parte de muitos trabalhadores de que o jogo político não é alternativa ao actual estado de coisas. Espera-se – e nós lutamos por isso – que esta desilusão sobre o sistema político vigente faça surgir formas organizativas de índole anarco-sindicalista e mobilize os trabalhadores mais activos e determinados para o campo libertário.

Perspectivas futuras para os movimentos anti-autoritários, horizontais e de acção directa em Portugal? E para a comunicação social alternativa?

Penso que são positivas. Findo o modelo soviético de exploração e opressão, acabadas também que estão as ilusões sobre o modelo do capitalismo neoliberal e esgotado que está o sistema democrático tradicional, assente no jogo eleitoral e parlamentar, os projectos de base, de índole social, autogestionários, federalistas e de acção directa tornam a estar na ordem do dia, reforçando o peso das correntes libertárias e anti-autoritárias nos mais diversos sectores sociais.

Para que tal aconteça são necessários também órgãos e canais informativos alternativos, que criem pontes e solidariedades. Um e outro movimento, o social e o da criação de redes de informação, caminham par a par e alimentam-se mutuamente. Um não pode existir sem o outro.

O que é que os vossos meios ganharam com a constituição da Rede de Informação Alternativa? Projectos futuros.

A Rede de Informação Alternativa tem sido muito importante na divulgação de iniciativas e tomadas de posição diversas, ampliando o universo de activistas que conseguimos alcançar. É um esforço comum que, numa área onde é sempre difícil consolidar projectos conjuntos, mostra a necessidade de avançarmos ainda mais neste sentido e de congregarmos esforços para que a nossa mensagem passe e chegue a mais gente.

Entre os projectos futuros, que temos entre mãos, está a edição de um jornal digital, com actualização diária, que colija e disponibilize a informação alternativa dispersa na rede e noutros colectivos editoriais, de raiz libertária, que têm vindo a surgir.