movimentos sociais

(apoio mútuo) Rede de Solidariedade começa a funcionar em Lisboa: “rejeitamos qualquer forma de assistencialismo”


rede-de-solidariedade

Sob o lema “habitação não é negócio é necessidade” começou a funcionar em Lisboa a ‘Rede de Solidariedade’, uma rede de apoio mútuo para organizar pela base e em defesa da Habitação, Alimentação, Saúde e Educação, de forma Solidária, Gratuita, Independente, Igualitária, quem a isso estiver disposto. A Rede – um projecto a que a Guilhotina.info se associou e ajudou a pensar e idealizar, graças aos contactos e informações que recolheu nos últimos anos sobre diversos movimentos sociais –  tem vindo a realizar reuniões regulares no Grupo Excursionista e Recreativo ‘Os Amigos do Minho’, no Intendente, em Lisboa. A fim de conhecermos melhor esta Rede, muito baseada nos princípios e nos métodos de actuação da Plataforma de Afectados pela Hipoteca (PAH) que actua no Estado Espanhol, entrevistámos um dos seus activistas de primeira hora.

*

rede-simbolo

“A estrutura base da Rede é a Assembleia”

1) Que objectivos se propõe a Rede de Solidariedade? Quais as formas de actuação?

A Rede foca-se nos problemas que afectam a grande maioria da população – problemas ligados à habitação, à saúde, à alimentação, à educação – se bem que de momento nos estamos a focar na habitação, tendo em conta o contexto da explosão dos preços em Lisboa devido ao turismo, o que está a empurrar muita gente para dificuldades, para além de todos os problemas já existentes relativos a crédito à habitação mal-parado. É de momento impossível precisar objectivos mais específicos, uma vez que a Rede é um projecto em construção, apesar de já ter posto de pé algumas modestas iniciativas.

As formas de actuação poderão ser variadas, dependendo do caso e do ponto em que se encontra. Subjacente a todo o processo está a ideia de pressão para encontrar uma solução negociada permanente para os problemas. Pelo que um caso de habitação, por exemplo, poderá começar com uma conversa com o senhorio ou instituição financeira e, conforme progride, assumir formas de acção directa cada vez mais combativas, como a paragem de despejos.

O foco estará sempre em soluções que surjam da força colectiva, evitando ao máximo soluções legalistas ou outras que envolvem ficar enrolados nos milhentos labirintos inventados para fazer as pessoas perder tempo e coragem.

2) Como se organiza a Rede de Solidariedade? Tem uma estrutura fixa? Funciona com assembleias abertas? Como se processa a sua articulação com as diversas lutas nos bairros, escolas, lugares de trabalho e com outros movimentos sociais?

A Rede modela-se muito em modelos de organização de sucesso que identificámos e estudámos noutros locais, tais como a experiência da PAH (Plataforma de Afectados por la Hipoteca). Isto significa que a estrutura base da organização é a assembleia, onde tudo é discutido e as tarefas e responsabilidades distribuídas. Existem fortes restrições em termos de quem pode assumir cargos, para evitar problemas recorrentes de tentativas de tomada de movimentos, assim como em termos de fontes de financiamento e apoio, para evitar a também recorrente tentativa de institucionalização de movimentos de forma a desarmá-los.

Muito importante também é a rejeição do assistencialismo. Espera-se de toda a gente que participe que seja parte activa na solução dos problemas, dos seus e dos outros. Procuramos empoderar os afectados a resolver problemas de forma permanente, e não oferecer pensos rápidos.

De momento a Rede ainda está a construir-se a si própria, pelo que os contactos externos são limitados e feitos via destacados pela assembleia, estando a ser feito esforço para criar laços com outros movimentos e iniciativas que nos parecem interessantes e importantes.

3) A Rede está a organizar-se em Lisboa. Está prevista a organização duma rede deste tipo noutros locais? De que forma? E como se relacionam as diversas estruturas que venham a existir?

Se tudo correr bem, sim, pretendemos que a Rede se espalhe e crie novos pólos, respeitando os métodos e princípios comuns. Idealmente, algumas pessoas de uma assembleia já estabelecida ajudariam com este processo numa hipotética nova assembleia.

Quanto à relação entre assembleias, ainda estamos a estudar essa questão de modo a tentar precaver eventuais problemas comuns, tal como em todo o restante processo de pensar a Rede.

https://rededesolidariedade.wordpress.com

https://www.facebook.com/redesolida

contacto telefónico: 918 870 996

(rede de informação alternativa) As ilustrações da guilhotina.info


A Guilhotina.info (que integra a Rede de Informação Alternativa com o Indymedia Portugal, Jornal Mapa e Portal Anarquista). para além de ser um excelente espaço informativo no facebook, bilingue, sempre atento à actualidade nacional e internacional, tem privilegiado também o aspecto gráfico, produzindo e divulgando ilustrações de grande qualidade. Estes são apenas alguns exemplos de um trabalho que já dura há 3 anos e que os companheiros da Guilhotina.info estão agora a mostrar seleccionando 59 das ilustrações publicadas até agora.

Para ver aqui: https://www.facebook.com/guilhotina.info/photos/?tab=album&album_id=1058696764246799

(memória libertária) José António Machado (“Graça”), um dos obreiros d’ “A Batalha” clandestina


bnp-n61-cx-58-f02

José António Machado, tipógrafo e jornalista, militante anarco-sindicalista,  na manifestação do 1º de maio de 1975, em Lisboa. (aqui)

José António Machado (1916-1978), de origem operária, depois tipógrafo e jornalista, foi um dos militantes libertários que permitiram a existência de “A Batalha” clandestina, bem como de outra propaganda anarquista e anarco-sindicalista durante os tempos da ditadura.

Natural do Barreiro, onde nasceu em 1916, José António Machado começou a trabalhar aos 16 anos na indústria corticeira, passando depois para aprendiz da escola da tipografia da Imprensa Nacional. Autodidacta, dedicou-se ao estudo e difusão do esperanto e dos ideais libertários. Fez parte do grupo anarquista do Barreiro “Terra e Liberdade”, que na altura publicava um jornal com o mesmo nome.

(mais…)

Foi há 41 anos o assalto às instalações consulares espanholas em Lisboa, Porto e Évora


espanha1

espanha-2

espanha-3

Há 41 anos, a 27 de Setembro de 1975, a indignação provocada em Portugal pelo fuzilamento em Espanha de cinco jovens antifascistas, dos quais três militantes da FRAP (um grupo maoísta) e dois militantes da ETA – e  depois do anarquista Salvador Puig Antich ter sido garrotado pelo regime franquista, em Março de 1973 – fez com que milhares de pessoas, de uma forma quase espontânea (as relações de grupo e de rede, bem como alguma comunicação social, também funcionaram), saíssem à rua em Lisboa, Porto e Évora destruindo as delegações consulares do Estado Espanhol e de algumas empresas de topo, como a companhia de aviação Iberia.

Em Lisboa, a multidão concentrou-se ao fim da tarde junto do consulado de Espanha, na Avenida da Liberdade, onde foi hasteada uma bandeira da FRAP e parte do recheio das instalações destruído, depois de ter sido forçada uma das janelas. De seguida, os manifestantes rumaram à Praça de Espanha, onde se situa a embaixada e a residência do embaixador, tendo manifestado a sua raiva contra as vidraças de várias empresas espanholas durante o trajecto.

A embaixada foi também rapidamente tomada, sem resistência, e o seu interior completamente devastado pelos milhares de manifestantes – oriundos de partidos da extrema–esquerda, mas também muitos anarquistas, portugueses e do Estado Espanhol -, que assim protestavam contra Franco e a ditadura fascista, anacrónica e desajustada, sobretudo para um país que a 25 de Abril de 1974 tinha visto alguns dos seus direitos e liberdades repostos e em que a pena de morte era considerada a mais extrema violação dos direitos humanos.

O video da RTP, no link em baixo, para além do valor das imagens, peca pelo texto, que não cumpre o rigor histórico, pretendendo insinuar que por detrás deste assalto às instituições consulares poderiam ter estado outros interesses que não os da indignação e os da revolta contra a ditadura franquista.

27set

Ver Vídeo: O significado do assalto à embaixada de Espanha | Memórias da Revolução | RTP

Ver também: http://kaosenlared.net/27-de-septiembre-la-noche-mas-larga

(Colômbia) Sai o número 30 de”El Aguijón”


capturar

Por todo o mundo reaparecem ou nascem jornais, revistas, fanzines de teor libertário, mostrando a fase de crescimento e de implantação do movimento anarquista à escala global, embora assente em projectos estruturados localmente e, regra geral, de pequena dimensão.

“El Aguijón” é uma publicação de jovens anarquistas da Colômbia que tem feito o seu caminho desde 2009. Merece uma espreitadela.

Para ler e download o “el aguijón” 30 (versão web)  : https://issuu.com/elaguijon-klavandoladuda/docs/no._30_para_web

Já nas ruas e nas bancas o jornal MAPA nº 14


mapa

#AltPt O número 14 do Jornal Mapa está aí | Ajuda o projecto com a assinatura que te o leva a casa (http://goo.gl/s92q96) ou contacta para distribuir | jornalmapa@geral.pt

Neste número, cuja saída coincide com o inicio da Feira Anarquista do Livro de Lisboa: Quem lucra com a tragédia nas fronteiras? E porque é a Prisão um bode expiatório? Porque razão a vigilância totalitária e a censura na internet não é uma paranóia, mas algo a resistir e a contornar? Sabias que há betão na Ria de Aveiro sobre os habitantes da Coutada? E como as coisas fervem de revolta no Brasil e na Turquia? Algumas das perguntas – entre muito mais – na informação critica da edição 14 de Setembro/Novembro…

Lê! Assina!

Geógrafos anarquistas marcam conferência para Setembro de 2017 em Itália


italia-1a-conferencia-internacional-de-geografia-1

[Itália] 1ª Conferência Internacional de Geografias e Geógrafos Anarquistas (ICAGG) – Geografia, mudança social e práticas anti-autoritárias

A realizar em Reggio Emilia (Itália) – Centro Studi Cucine del Popolo, rua Beethoven 78 / e, 21-23 setembro 2017 – cucine.arealibertaria.org.

Nos últimos anos, uma notável redescoberta internacional e multilíngue dos geógrafos anarquistas ocorreu tanto no nível acadêmico quanto nos meios militantes, trazendo, ao mesmo tempo, um renovado interesse por figuras históricas como Piotr Kropotkin (1842-1921) e Élisée Reclus (1830-1905), e sobre as contribuições de anarquistas e de ideias e práticas anti-autoritárias às atuais lutas pela libertação social em todo o mundo. Edições especiais sobre anarquismo e geografia foram publicadas por renomadas revistas internacionais, como Antipode e ACME, levando a um florescimento de artigos e livros sobre estes temas. Inclui-se também a organização de exitosas sessões sobre a geografia anarquista nas concorridas conferências internacionais de geografia, como a RGS-IBG, a AAG e a IGU, como também nas conferências internacionais da Anarchist Studies Network. Foi inaugurada também uma lista de discussão internacional de geografias anarquistas.

(mais…)