alentejo

(memória libertária) Francisco António Ximenes, alentejano de Via Glória – Mértola


21014122_1623172204381126_5852697530011877370_o

Francisco António Ximenes, trabalhador rural, anarquista, membro do grupo anarquista “Via Anárquica”, de S. Bartolomeu de Via Glória – Mértola, aqui evocado pela antropóloga Paula Godinho:

“Pertenceu a uma geração em que o anarquismo cativava, nos campos do sul. O meu pai falava dele, como de Gonçalves Correia, com admiração, e o meu avô foi amigo de ambos. A PIDE perseguiu-o toda a vida, pois sabia-o capaz de levantar os ceifeiros e outros trabalhadores por melhor salário e redução de horário. Crimes terríveis, claro. Mas do que mais gostava o tio Ximenes era de falar de vegetarianismo, de milenarismos niveladores e de soltar pássaros que viviam em gaiolas. Perigosos, estes alentejanos.” (Paula Godinho)

Anúncios

(Mina de São Domingos) Foto de Valentim Adolfo João e irmãos


foto valetim Adolfo João

(Foto retirada daqui com a seguinte legenda:
Não tenho vagar amor
Para te dar atenção ,
Tenho muito que fazer
Na minha Associação .
3 grandes mineiros que dariam a vida em prol dos direitos dos trabalhadores .
Antonio, Manuel e Valentim Adolfo Joao)

(mais…)

“Realismo socialista” abjecto


contenda

O “realismo socialista” deu nisto. Um presidente de Câmara da CDU que se deixa fotografar, numa propriedade gerida pela Câmara de Moura, a que preside, numa caçada a veados protagonizada por “clientes” belgas, um primo e um antigo presidente de Câmara e deputado do PSD (agora dirigente sportinguista…).

Há uns anos havia diferença entre quem lutava contra o fascismo e quem participava nas caçadas do Américo Tomás quando este vinha ao Alentejo. Hoje não. O “realismo” e o possibilitismo deu nisto:nesta mistura de águas em que um presidente de Câmara da CDU se comporta como qualquer presidente de Câmara do CDS. Ainda há alguns tempos o mesmo presidente de Câmara mandava pôr colchas no edifício da Câmara para a passagem da procissão.

Mas voltando a esta imagem, publicada pelo próprio presidente de Câmara, no seu blogue: porque é que ela me faz tanto lembrar a fotografia do rei de Espanha publicada há uns anos aquando duma caçada aos elefantes algures em África?

(através de Luis Bernardes)

botswana

(José Estevão) “O anarquismo terá que ter futuro”


60b

José Estevão é um anarquista português, a viver há mais de quatro décadas na Holanda, país onde se refugiou como refractário à guerra colonial. Alentejano, natural da vila mineira de Aljustrel, tem uma actividade militante quotidiana em Amesterdão – actualmente tem estado muito activo no apoio aos refugiados –, mas visita regularmente Portugal, tendo participado no Encontro Libertário de Évora, realizado em Maio passado. Recentemente foi entrevistado por companheiros chilenos (da Federação Anarquista Local de Valdivia) , uma entrevista que traduzimos agora para português.

(mais…)

(1918) A greve geral em Vale de Santiago e o assassinato de Sidónio Pais


 

murder_of_sidonio_pais_at_lisboa-rossio_railway_station

Bilhete-Postal de 1919, retratando o assassinato do Presidente Sidónio Pais na Estação Ferroviária de Lisboa-Rossio, no dia 14 de Dezembro de 1918

Passam hoje 98 anos sobre o assassinato de Sidónio Pais, presidente da 1ª República e um dos precursores do fascismo europeu. A sua morte está ligada à greve geral de Novembro de 1918, que teve um eco particular no concelho de Odemira, no Vale de Santiago, e que foi violentamente reprimida. Num e noutro caso, aparece como figura destacada José Júlio da Costa, o alentejano que matou Sidónio Pais, na Estação do Rossio, em Lisboa, com 25 anos de idade.

(mais…)