Dia: Agosto 15, 2016

ACAMPAMENTO ECO-LIBERTÁRIO TRANSFRONTEIRIÇO, Rio de Onor, Bragança (Parque de Campismo), 2,3 e 4 de Setembro 2016


eco-libertário

…/ do Programa Prévio constará:
– Introdução à história da aldeia e ao passado e presente da vida comunitária local (modo de produção comunitário, assembleias do povo, cultura comunitária,…), encontros com actuais e antigos habitantes
-HISTÓRIA e ESTÓRIAS de Rio de Honor e zona envolvente durante a Guerra Civil de Espanha e a Revolução espanhola , na parte portuguesa e na parte espanhola
-TRILHA PEDESTRE através e em volta das duas aldeias (de preferência numa manhã…)
-DEBATE : situação das sensibilidades e movimentações libertárias actuais dos dois lados da fronteira (c/apresentação das pessoas e colectivos presentes) PERSPECTIVAS ANTI-CAPITALISTAS
-DEBATE : movimentos populares e ecologia social libertária – como se complementam?
-Atelier de reconhecimento e utilização de plantas silvestres comestíveis e medicinais,(uma manhã)
-Bancas de literatura /informação libertária,(durante todo o tempo do acampamento)
-Banhos no rio
-Canto Libertário de hoje e de sempre

…/ pela organização prévia do acampamento/encontro
TERRA VIVA! Assoc. Ecologia Social e do SOV Porto /AIT-SP

Contacta para sovaitporto@gmail.com

aqui

Anúncios

Itália: 8 de Agosto. Revolta no CIE de Brindisi


20160808_185301.jpg

É assim que se vive no CIE – Centro de Identificação e Expulsão de Estrangeiros –  de Brindisi Restinco.

interno-cie-brindisi-1“Mobiliário” em cimento e ferro, comida de má qualidade, ausência de cuidados de saúde (assistência sanitária). Mas, acima de tudo, dignidade espezinhada, privação de liberdade, a espera de uma expulsão ou de escorregar de volta para o círculo infernal da clandestinidade.

É precisa instigação para se revoltar contra tudo isto?


Na tarde de segunda-feira, 8 de Agosto, enquanto que do lado de fora do CIE em Brindisi Restinco decorria uma concentração de solidariedade com os reclusos, desde o interior da estrutura muitos comunicaram as condições às quais são forçados a submeter-se. As janelas das celas dão para o relvado onde se estava a realizar a concentração, o que facilita a comunicação direta, verbal. Depois, os reclusos já em revolta atearam fogo a lençóis e colchões, em duas secções, gritando “Liberdade”.


Immagine 4-2-2Agora os dois dormitórios da secção A e um da secção B estão inutilizáveis; há alguns dias que os reclusos estão amontoados entre alguns corredores e um pátio, onde além disso são obrigados a dormir sem colchão nem lençóis, quer no chão, quer em cima das mesas da cantina. A secção C está ainda intacta e em regime de funcionamento.

Um rapaz de 22 anos da Costa do Marfim foi preso porque, gravado pelas câmaras de vigilância interna, foi considerado um dos responsáveis pelos incêndios.


Como já aconteceu em outros CIE, o fogo da revolta tornou inutilizável parte do centro de detenção, tornando menos eficaz a capacidade do Estado de encarcerar e deportar.


Alguns inimigos das fronteiras – Lecce

(traduzido de https://hurriya.noblogs.org/ )

(enviado por email para divulgação)