Herbert Read (1893-1968), poeta, crítico de arte e militante anarquista


herbert-read-ica-006

HERBERT  READ: A ARTE DO ANARQUISMO CONTADA PELO “AÇÃO DIRETA”

 “O Estado é tão vulnerável quanto um ser humano pode ser morto pelo corte de uma só artéria. Mas a questão é providenciar para que não lhe apareçam médicos em socorro.” Herbert Read, Filosofia do Anarquismo, 1940

O autor dessa frase é um homem esquecido na história das artes modernas, da educação e do anarquismo. Herbert Read foi um historiador das artes, principalmente de cerâmica e vitrais, critico literário e poeta, teórico anarquista e defensor da criatividade dos indivíduos e em evidência a das crianças. Com essa diversidade de realizações, nada mais justo que resgatar a memória desse crítico, e apologista, a arte de vanguarda de seu tempo (particularmente, o modernismo inglês e europeu).(1)

CapturarEm 1959 Read vem ao Brasil para um congresso sobre artes que ocorreu em Brasília. O periódico carioca ‘Ação Direta’, dirigido pelo anarquista José Oiticica, informa a sua visita em seu número 135 de Junho de 1959, com o título Visita de Herbert Read ao Brasil. Esse destaque demonstra o quanto era importante essa vinda dele ao Brasil, já que na época ele era uma figura social de protagonismo nas artes. (2)

Entretanto para se tornar anarquista, esse ícone das artes, passa por experiências importantes. Herbert Read nasce em 9 de Dezembro de 1893 em uma fazenda no norte de Yorkshire, na Inglaterra. Filho de fazendeiro arrendatário, suas primeiras percepções de mundo são vindas de seu pai, um conservador. Em 1903 quando tinha apenas 10 anos, seu pai falece e então sua mãe inicia no serviço de doméstica para sustentar a família, enquanto ele vai para um orfanato em Halifax. A primeira oportunidade que tem de sair do orfanato, o faz, e se torna funcionário de um banco em Leeds. Em 1912 entra para a Universidade de Leeds para estudar economia e concomitante a isso, devido aos fatos de pobreza ao seu redor, desafia sua herança política e se torna um admirador do socialismo (3).  Participa da 1º Guerra Mundial em 1915 e essa experiência é traumatizante, pois é onde perde um dos seus irmãos(4)

Um apreciador do escritor anarquista Piotr Kropotkin, em 1917 ele começa a fazer suas contribuições teóricas ao socialismo ao escrever um artigo para a revista Guildsman, onde propusera uma teoria de grupos econômicos a partir dos escritos do Apoio Mútuo. Read aprofunda estudos em inúmeros filósofos como Marx, Hegel, Stirner, Nietzsche, Bergson e outros (5), mas se torna anarquista convicto, quando já interessado por artes, se assombra com a maneira que os marxistas veem a arte como modo artificial da realidade social, sempre domada pela “superestrutura”(6).

Entre os seus principais trabalhos, se encontram: Arte e Sociedade (1937); Educação pela Arte (1943); A Filosofia da Arte Moderna (1952); Arte e Alienação (1968); entre outros. Read é tão fascinado por Kropotkin que escreve alguns textos sobre o filósofo anarquista (7)..Em Educação Pela Arte (talvez sua principal bibliografia sobre o tema, tendo em vista as inúmeras traduções em diferentes línguas), Read defende a singularidade de apropriação da cultura pelo indivíduo, sua interpretação única derivada de experiências próprias é um dos princípios primordiais para o desenvolvimento da imaginação e da percepção, da expressão artística autônoma integrada à unidade colectiva e a prática da realidade social (8).

Como destaque no cenário intelectual e no socialismo libertário com diversos escritos, o ‘Ação Direta’ publica um texto seu sobre a FilosofiaAnarquista (9) e em sua visita consegue uma entrevista (10). Nessa entrevista Read fala sobre como se tornou anarquista, sua ascensão nas artes e as dificuldades sofridas por defender tal ideologia. É importante verificarmos algumas passagens dessa entrevista do Ação Direta:

Capturar1

“G.B. – Quais são, no seu entender, os sinais e as tendências no mundo actual que pressagiam um melhoramento na possibilidade do anarquismo?

H.R. – Somente a propaganda do ideal anárquico pode melhorar a possibilidade do anarquismo. Existe um número enorme de pessoas, no momento atual que são anarquistas sem sabê-lo. Existem milhões de pessoas sem nenhuma ilusão sobre o Estado e sobre tudo o que ele representa. Uma após outra essas pessoas começarão a denominar-se anarquistas.

G.B. – Que gênero de actividades os anarquistas de hoje deveriam preferir cultivar para melhor promover seu ideal?

H.R. – Sucede um grande trabalho de pensamento e investigação para que os ideais anárquicos se tornem verdadeiramente modernos. A antropologia, a psicologia social, a experiência comunitária nas várias partes do mundo, a falência marciana dos sistemas totalitários de governo, são matérias que esperam ser examinadas à luz dos princípios anarquistas. Necessitamos de obras literárias (drama, romance, novela) que ilustre num sentido humano, mas não de propaganda, os valores que sustentam a concepção libertáriada vida. O campo é riquíssimo, mas necessitamos de artistas e pensadores que o saibam trabalhar.” (Ação Direta; ano XIV; nº 136. Rio de Janeiro, Outubro de 1959).

Essa análise de Read sobre o anarquismo demonstra o quanto é actual essa discussão da ação e propaganda libertária. Como atuar no século XXI para propagar a ideologia anarquista e atingir os trabalhadores próximos aos princípios anárquicos.

Herbert Read morre em sua residência de ataque cardíaco em nove de Junho de 1968 aos 74 anos, deixando um legado as artes, a educação e ao anarquismo em aproximadamente 1.150 títulos escritos (11).

Pedro Silva (“Emecê” – Boletim do Núcleo de Pesquisa Marques da Costa . Ano IX . No 24 . Julho de 2013)

Fontes:

1-3-5 – Thistlewood, David. Herbert Read (1893-1968). Prospects: the quarterly review of comparative education (Paris, UNESCO: International Bureau of Education), vol. 24, no.1/2, 1994, p. 375–390.

2-10 – A reportagem sobre a sua visita e a entrevista foram publicadas no periódico Ação Direta nos números 135/136 de Junho e Outubro de 1959, respectivamente.

4-11 – Méndez, Nelson. Herbert Read: Filósofo, poeta, crítico de arte… y anarquista. Site: http:// www.portaloaca.com/historia/ biografias/484-herbert-read-filosofopoeta-critico-de-arte-y-anarquista. html

6 – Read, Herbert. Arte e Alienação – O Papel do Artista na Sociedade. Editora Zahar. 1º ed. Rio de Janeiro, 1968.

7 – Read, Herbert. Kropotkin – The Master. Site: http://dwardmac.pitzer.edu/Anarchist_Archives/ bright/read/kropotkinmaster.html e Introduzione a P. Kropotkin. READ, Herbert. La società aperta, Milão, 1976.

8 – Read, Herbert. Educación Por El Arte. Editora Paidós. 2º Ed. Buenos Aires, 1959.

9 – Esse texto foi publicado em sete partes no ‘Ação Direta’ nos números 76/77/78/79/82/84/86 de Outubro de 1951 a Maio de 1952.

read1 read 2 Read 3

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s